D. Nuno pede aos crismados de Santa Rita e da Graça que confiem em Deus e “caminhem sobre as águas da vida” 

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal crismou este domingo, dia 9 de agosto, mais 64 jovens e alguns adultos. Desta vez D. Nuno Brás visitou as comunidades paroquiais da Vitória/Santa Rita e da Graça, onde os respetivos párocos, cónego Manuel Ramos e Pe. André Pinheiro, apresentaram os crismandos, garantindo que os mesmos estavam preparados para receber o sacramento que os confirma como cristãos.

Na homilia de ambas as celebrações, D. Nuno Brás refletiu sobre as leituras deste 19º Domingo do Tempo Comum, nomeadamente sobre o Evangelho, que nos mostra que por maiores que sejam as dificuldades da vida, todas têm solução em Deus Pai, que é omnipotente e nos ama com amor infinito.

Para isso, lembrou o prelado, “basta que estejamos disponíveis para esse encontro, sem medo”, e que “sejamos capazes, tal como Pedro, capazes de arriscar tudo assim de repente”.

Por outras palavras, para vencermos esses obstáculos, isto é, para andarmos sobre as águas e reconhecermos quando precisamos de ajuda para não nos afundarmos, basta que queiramos aceitar a ajuda de Deus.  E ela será sempre uma realidade, na medida em que consintamos a presença amorosa deste Pai no “barco” da nossa existência. Por maiores que sejam as ondas que nos ameacem, todas, com Ele, serão vencidas.

É este, disse D. Nuno Brás, o convite que o Senhor deixa a todos os crismados: que sejam capazes de “sair do barco e de caminhar, mesmo que depois, tal como Pedro, tenhamos de dizer salva-me Senhor”. E esta atitude de seguir Jesus é válida independentemente do caminho que sigamos, seja ele o de casar e constituir família ou a ser, por exemplo, sacerdote.

A propósito, o bispo diocesano voltou a partilhar a sua própria experiência, confessando que também teve dificuldade em perceber “como é que era possível que Deus olhasse para mim, um jovem lá dos confins do Vimeiro, e me convidasse para ser padre”. Depois de admitir que “é preciso coragem para dar o passo”, e que muitas vezes “houve a tentação de nos afundarmos, porque é demais, e a necessidade de dizer salva-me”, o prelado disse aos jovens que têm de perceber “que é connosco, convosco, que o Senhor quer fazer grandes coisas e quer viver a nossa vida”.

“Vem, quer dizer atreve-te, tem coragem, ousa caminhar sobre as águas, sobre as águas da vida, sobre aquilo que mete medo” foi, pois, o convite que o bispo deixou aos jovens tanto de uma como de outra comunidade, adiantando-lhes que “quem não for capaz de escutar este apelo de Jesus Cristo, viverá sempre uma vida medíocre, igual à dos outros”.

E por falar de vidas iguais, na paróquia da Graça, o prelado lembrou Carlo Acutis, o Jovem italiano, «génio» da informática, que morreu aos 15 anos com fama de santidade e que será beatificado no próximo dia 10 de outubro, na cidade de Assis, Itália. O futuro beato dizia que «todos nascem como originais, mas muitos morrem como fotocópias». Ora, é precisamente isso que D. Nuno Brás não quer que aconteça aos jovens que têm estado a receber o sacramento da confirmação, lembrando-lhes que Jesus Cristo sabe que tudo isto é difícil e que, por isso mesmo, lhes dá a força do Espírito Santo para os ajudar.

Tal como é hábito nestas ocasiões, quer numa quer noutra paróquia, os respetivos párocos agradeceram a presença de D. Nuno Brás, lembrando que é sempre bom receber a sua visita. Além disso, agradeceram também aos pais, padrinhos e catequistas de todos estes jovens, lembrando que foram e vão continuar a ser o garante da fé destes cristãos.

No caso da Paróquia da Graça os agradecimentos foram ainda para todos aqueles que tornaram possível esta celebração, que voltou a decorrer no exterior da Igreja.