Santuário de Fátima destaca migrantes

D.R.

De 9 a 16 de agosto, a Igreja Católica em Portugal celebra a Semana Nacional de Migrações, projetando o Dia do Mundial do Migrante e do Refugiado (27 de setembro), para o qual o Papa escolhe como tema ‘Forçados como Jesus Cristo a fugir: Acolher, proteger, promover e integrar’, centrado na figura dos deslocados internos.

A peregrinação de 13 de agosto no Santuário de Fátima será presidida por D. José Traquina, bispo de Santarém e presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e da Mobilidade Humana.

Assinala a quarta aparição de Nossa Senhora, a única que teve lugar noutra data, a 19 de agosto, e noutro lugar – a zona chamada Valinhos, a cerca de três quilómetros da Cova da Iria e a poucas centenas de metros da casa de Lúcia.

O Santuário de Fátima refere, em comunicado, que esta peregrinação de agosto “é marcada sempre pelo calor da diáspora”.

O programa da peregrinação começa a 12 de agosto, às 21h30, com a recitação do Rosário, seguido da Procissão das Velas e da celebração da Palavra no altar do recinto.

No dia 13, às 9 horas será recitado o Rosário internacional, seguido, às 10 horas, a Missa Internacional, com a Bênção dos Doentes; a peregrinação termina com a Procissão do Adeus.

“Gesto caraterístico no ofertório da Eucaristia da peregrinação aniversária de 13 de agosto, e que se manterá, é a oferta de trigo, pelos peregrinos”, anuncia o Santuário.

Este gesto remonta a agosto de 1940, quando um grupo de jovens da Juventude Agrária Católica, de 17 paróquias da Diocese de Leiria, ofereceu 30 alqueires de trigo, destinados ao fabrico de hóstias para consumo no Santuário de Fátima.