D. Nuno aos crismados: Deixem o Espírito Santo transformar o joio que habita em vós para serem trigo de Deus

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal esteve, ontem, dia 19 de julho nas paróquias das Eiras e de São Martinho, onde confirmou na fé 19 e 26 crismandos, respetivamente.

Quer numa comunidade paroquial quer noutra, D. Nuno Brás refletiu sobre as leituras do dia, nomeadamente sobre a parábola do trigo e do joio, lembrando que “nós somos a sementeira”, o tal “campo de trigo, no meio do qual nasce também o joio”, e que os dois têm de crescer juntos até à altura da ceifa. 

Durante esse tempo, temos de ter o discernimento e a capacidade de nos interrogarmos “quem é que será o trigo e quem é que será o joio”, ou seja, os “bons cristãos” ou “os pecadores”. 

A tentação, lembrou o bispo diocesano, “é para querermos arrancar o joio para que o trigo cresça à vontade”, mas a ideia de Deus é outra, a lembrar que “se todos os pecadores fossem postos fora da Igreja, ficavam cá zero”. Aliás, a primeira coisa que nós fazemos quando iniciamos uma Eucaristia é precisamente confessar que somos todos pecadores e que o fizemos muitas vezes, por pensamentos, atos e omissões, tudo isto reforçado com o gesto de bater no peito três vezes assumindo a nossa culpa.

O verdadeiro cristão percebe, pois, que é as duas coisas: um dia mais trigo, outro mais joio. Que é capaz de dar a sua vida por algo ou por alguém, mas é também capaz dos gestos mais egoístas. “É capaz do melhor e do pior”.

Mas o cristão percebe também que, com a ajuda de Deus e do Espírito Santo, é capaz de ser e fazer melhor, porque Deus “transforma o joio que há no nosso coração em trigo”. De resto, “o ser cristão é isto: é deixar que Deus transforme o joio que temos na nossa vida em trigo. Esta é a mudança” que nos é proposta.

Mas o caminho para essa transformação pode ser difícil. Podemos e muitas vezes achamos que não somos capazes de a alcançar. Porém, lembrou D. Nuno Brás, é aí que entra o Espírito Santo que os crismandos recebem. É ele que, frisou, “vem em auxílio da nossa fraqueza” e que nos vai ajudar a fazer o caminho da vida cristã, e essa “passagem do pecado para a santidade” a que “somos todos chamados”.  

“É este Espírito Santo que ides receber”, disse o bispo do Funchal. Um Espírito que “nós não merecemos, que é um dom demasiado grande”, mas que Deus nos dá para vos transformar, “não apenas para agora, mas sempre, para toda a vossa vida”, explicou.

“Que o Senhor a todos nos ajude, e de uma forma particular aos que vão ser crismados, a deixarmos o joio que ainda habita na nossa vida, para sermos trigo de Deus que dá fruto, fruto verdadeiro, fruto bom, fruto que mostra a todos como Deus é bom e nos torna, também a nós, bons”. 

Em ambas as paróquias os crismandos foram apresentados como estando aptos para receber o Sacramento da Confirmação pelos párocos, os cónegos Rui Pontes e Marcos Gonçalves, respetivamente, os quais deram ainda conta ao prelado da alegria das comunidades por receberem o seu pastor, cuja disponibilidade agradeceram.

Entretanto, no próximo fim de semana D. Nuno Brás vai deslocar-se às paróquias de Santo António, no sábado dia 25, e à Serra de Água e Porto da Cruz no domingo, dia 26, novamente com a missão de confirmar na fé crismandos daquelas comunidades.