Ribeira Brava vai celebrar padroeiro

Foto: Silvio Mendes

A única paróquia da Diocese do Funchal que tem São Bento como padroeiro é a Ribeira Brava.

A festa vai ser celebrada no domingo 12 de julho às 16 horas.

No sábado 11 de julho, dia litúrgico de São Bento, a missa da vigília começará pelas 20 horas. Neste ano e devido às restrições já conhecidas não haverá procissão nem arraial.

Nascido na Úmbria, uma região da Itália central, no ano de 480, São Bento manifestou desde pequeno um gosto especial pela oração. Foi na região de Núrsia, perto da cidade de Spoleto, que realizou os primeiros estudos. Depois foi até Roma, onde iniciou os estudos de filosofia e retórica.

Além de evangelizar, preservou e documentou muitos manuscritos; também deu assistência aos pobres e ensinou aqueles que desejavam aprender. Por isso, sua ordem, que tinha uma vasta biblioteca, e tornou-se um dos maiores centos culturais da Europa na Idade Média. Dedicou a sua vida ao cristianismo criando a Regula benedicti (A Regra), com o lema era Ora et labora (reza e trabalha), cujo propósito foi o de criar normas sobre a vida em serviço à Deus.

Foi abade no convento de Vicovaro e descobriu que a vida dos monges não ia ao encontro da vida de Cristo. Entre os monges, foi-se formando uma antipatia contra Bento, planeando matá-lo por envenenamento. Na hora em que o santo abençoou a taça de vinho envenenada, como fazia com todos os alimentos que comia, esta quebrou-se.

Depois do episódio, Bento renunciou ao cargo e regressou a Subíaco para retomar a vida de eremita. Nesta altura, o santo tinha já variados discípulos a segui-lo. Em poucos anos, fundou doze mosteiros, começando a organizar a vida monástica comunitária e a fazê-la florescer mediante a adoção da Regra dos Mosteiros, conhecida atualmente como a Regra de São Bento.
Através de 73 capítulos da Regula Monasteriorum, São Bento expôs as regras para a vida monástica em comunidade. O silêncio, a oração, o trabalho, o recolhimento, a caridade fraterna e a obediência são os aspetos fundamentais da Regra de S. Bento.

Foi sob esta regra que nasceu e tomou forma a Ordem dos Beneditinos, ou Ordem de São Bento, que se mantêm viva na atualidade e que é seguidora da mesma regra escrita pelo santo fundador há mais de 1500 anos. Ao longo da história, várias ordens de monges do Ocidente adotaram, com adaptações, a Regra de São Bento.

No ano de 1964 o Papa Paulo VI declarou São Bento padroeiro principal da Europa, tributando desse modo justo reconhecimento ao santo a quem a civilização europeia deve muito, e é também um dos santos mais venerados de toda a cristandade

O santo previu a data da sua morte, que ocorreu em 21 de março 547, poucos dias depois que faleceu sua irmã Santa Escolástica. Morreu de pé na capela com as mãos levantadas para o céu. “Deve-se ter um imenso desejo de ir para o céu”, foram suas últimas palavras.

No final do século VIII, em muitos lugares, começou-se a celebrar a sua festa no dia 11 de julho.

Na Ribeira Brava a festa de São Bento teria sido celebrada a 21 de março mas neste ano devido à pandemia foi adiada para julho coincidindo com a data do seu nascimento.