Novenas vão preparar festa de Nossa Senhora do Carmo

Foto: Silvio Mendes

Na igreja do Carmo no Funchal vão ser celebradas as novenas de preparação para a festa de Nossa Senhora do Carmo. Decorrerão de 7 a 15 de julho com a oração do terço, às 18 horas seguindo-se a Eucaristia pelas 18h30.

A festa realizar-se na quinta-feira dia 16 de julho, dia litúrgico de Nossa Senhora do Carmo, principiando a missa solene às 18h30.

A origem da palavra «carmelo» está no do hebraico em que «carmo» significa «vinha», e «el» significa «Senhor»; portanto, «Vinha do Senhor». Este nome remete-nos à famosa montanha da Palestina onde o profeta Elias e o sucessor Eliseu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que, conforme uma interpretação piedosa, foi prefigurada numa pequena nuvem. (Cf. 1 Rs 18,20-45).

É no Monte Carmelo que a tradição colocou a origem da Ordem Carmelita. Ali viviam eremitas entregues à oração e à penitência.

Devido às perseguições aos cristãos na Terra Santa, o grupo de eremitas do Monte Carmelo foi para a Europa, estabelecendo-se na Inglaterra, onde vivia Simão, um também eremita que se uniu a eles. Simão era penitente, como o Profeta Elias, austero como João Batista. Diante da sua vida solitária na convexidade de uma árvore no seio da floresta, deram-lhe o apelido de Stock.

Já vivendo com os eremitas do Carmelo, e depois por passar várias dificuldades na sua vida, São Simão teve a inspiração e confirmação mariana da sua vida e sua ordem no dia 16 de julho de 1251. Quando suplicava com maior empenho a Nossa Senhora, Mãe do Carmelo a sua proteção viu a cela encher-se, subitamente, de luz.

Nossa Senhora apareceu-lhe, rodeada de anjos e trazia nas mãos o escapulário, tendo dito a São Simão Stock: «Recebe, diletíssimo filho, este escapulário de tua Ordem como sinal distintivo e a marca do privilégio que eu obtive para ti e para todos os filhos do Carmelo; é um sinal de salvação, uma salvaguarda nos perigos, aliança de paz e de uma proteção sempiterna. Quem morrer revestido com ele será preservado do fogo eterno».

Na história da Igreja a devoção ao escapulário é muito parecida com a do rosário, constituindo-se numa das mais antigas e populares formas de devoção a Virgem Maria. O escapulário é um sacramental, ou seja, uma realidade visível, que conduz-nos a Deus, com a sua graça redentora, o seu perdão e promessas.

Vários Papas promoveram o uso do escapulário e Pio XII escreveu: «Devemos colocar em primeiro lugar a devoção do escapulário de Nossa Senhora do Carmo – e ainda – escapulário não é carta-branca para pecar; é uma lembrança para viver de maneira cristã, e assim, alcançar a graça duma boa morte».

Na Madeira a devoção a Nossa Senhora do Carmo sempre foi especial. Duas paróquias constituídas em 1960 têm-na como padroeira: uma em Câmara de Lobos e outra na Camacha (Rochão).