As “fés” e a fé católica

Cristo entrega as chaves a São Pedro, Pietro Perugino, Capela Sistina, Vaticano

Os tempos presentes são difíceis por múltiplas razões, não é só pelo codiv-19. Este até poderá acionar remédios. Não é que não haja fé, virtude teologal, mas mais por haver “fés” nada teologais.

Sobre o covid-19, cientistas e filósofos sabem muito, e ainda bem; Mas têm “fés” e salvações à mão pouco científicas. A fé católica é outra. Há problemas que só com doses de ironia se podem pôr a claro. Com frequência, ao ler artigos onde se afirma que a ciência isto, a ciência aquilo, e logo a seguir se passa ao cientismo, ao filosofismo e às “fés” pessoais, humanas é outro discurso de menos ciência. A fé humana pode ajudar, ser opinião e fake news sobre o covid-19.

Por exemplo, sabem porque veio o vírus? O homem tornou-se um predador abusivo de bactérias e vírus. O homem tem-se multiplicado (Gen 1, 28); prejudica a terra, a que alguns chamam deusa Gaia, Astarte ou Pachamama. Mas fiquem tranquilos. Um cientista, mister Gates, já está a resolver a questão. A sua fundação com milhões de dólares já começou há muito, antes da pandemia, a impedir que nasçam tantos bebés. Ele e parceiros do aborto já conseguem tirar a vida a uns 50 milhões deles por ano antes de nascer. Tudo “científico”. E o que fazem aos corpos? Dão e vendem.

No Vietnam vi um cemitério onde eram sepultados centenas deles, trazidos dos hospitais. Há multinacionais que compram esses corpos para fabricar perfumes, mesinhas de rejuvenescer e, parece, vacinas. Irão ser obrigatórias? Também dizem (fake news?) que essas vacinas terão efeitos secundários (matar?) para reduzir a população. O que importa, dizem outros, é reduzir a população a um terço do seu número atual. De contrário, ameaça o cientismo, é virem mais vírus reivindicar a propriedade do planeta. O curioso é que alguns dos gurus têm muita “fé”. As pandemias seriam uma espécie de vingança da deusa terra.

Tem sido propostas teorias alternativas: maltusianismo, morrem os mais fracos. E devem-se deixar morrer no seguimento da “fé” de Darwin, Frederico Nietzsche, Adolfo Hitler, e mesmo matar na linha do batalhão dos abortistas e eutanasistas atuais. Na visita ao Yucatan, terra dos Maias, México, o nosso grupo horrorizou-se com histórias dos sacrifícios humanos dos prisioneiros de guerra para aplacar os deuses e obter chuva: muitos milhares de homens decapitados com essa finalidade! Agora sacrificam-se milhões em favor de 2 ou 3% dos mais ricos. E a vida de miríades de escravos de hoje serve para dar mais prazer a sultões, chefões e racistas atuais. Então e os governantes e políticos que fazem para resolver os problemas? O que podem, e o que os cripto tiranos deixam fazer. E a Igreja? Muitos nela podem ficar sem liberdade, sem igrejas, sem padres, sem fé cristã (não praticam), ou continuar com fé em Jesus Cristo e na oração ao Deus invocado no «Shemá, Israel» (Deut 6,4-9 e Mc12, 29).

Os tempos são difíceis por parte das instituições, profanas e eclesiais secularizadas, quase deixarem de funcionar, como já se experimenta; mas mais por estas tribulações serem tempos sem lei e sem ordem, como se vai observando. Alguns têm “fé” que se resolvem os problemas sem dar nada a Deus nem a César. No meio destas aflições alguns têm a sua “fé” que resolvem tudo com um pouco de esperteza, técnicas estratégicas e meditações orientais de gnose. Faltarão, agora, santos Ireneus e Justinos para expor a fé cristã contra os hereges e a idolatria dos mitos gregos? Que pena! Tantas “fés”!

Faltarão mais mulheres como a Sunamita que dava cama e mesa ao profeta Eliseu e seu servo? Ou faltarão Eliseus para elas os reconhecerem como homens de Deus neste tempo de pandemia? (2 Reis 4). E se muitas obras humanas ficarem sem pedra sobre pedra, mesmo as igrejas de pedra e cal? Não será o fim. Nem são essenciais. Nalguns ficará a fé em Jesus Cristo e a Igreja fundada sobre Rocha (S. Pedro-a) que não será destruída pelas forças do inferno (Mt,16,18-19). Jesus Cristo terá sempre ao seu lado o pequeno rebanho dos que à pergunta dele: também vos quereis ir embora? Respondem: a quem iremos? Só Tu tens palavras de vida eterna (Jo 6,37-39). Tu és o Filho de Deus; e O adoram.