Bispo do Funchal recorda padre Mário Tavares como sacerdote que “procurou defender o povo”

Foto: Duarte Gomes

As reações à falecimento do Pe. Mário Tavares não se fizeram esperar. D. Nuno Brás, por exemplo, diz  que “o falecimento de um sacerdote — e de um sacerdote que, ao longo da sua vida, procurou defender o povo e trabalhar em favor da justiça — sempre nos entristece.”. Porém, diz também o bispo do Funchal, “ao mesmo tempo, este acontecimento doloroso é oportunidade para reafirmar a certeza da vida eterna.”

“Pedimos a Deus pelo P. Tavares. Apresentamos as nossas condolências à sua família. E com ele continuamos unidos na peregrinação que nos purifica, até podermos todos contemplar plenamente a face de Deus”, acrescenta ainda o prelado.

Presidente da ALM fala de um “homem bom”

Também o presidente da Assembleia Legislativa da Madeira recorreu às redes sociais para manifestar o seu pesar pela morte do padre Mário Tavares, este sábado, 6 de Junho. José Manuel Rodrigues refere-se ao pároco do Jardim da Serra como “um homem bom e corajoso preocupado com as desigualdades e injustiças sociais”.

“Apesar das nossas diferenças ideológicas, mantivemos sempre uma relação amistosa. Que Deus o guarde”, acrescenta na mesma publicação.

Entretanto, numa nota oficial da Assembleia Legislativa da Madeira José Manuel Rodrigues endereça à família enlutada, e em nome do parlamento, as suas “sentidas condolências”.

A mesma nota recorda que Mário Tavares exerceu o cargo de deputado, eleito pela CDU, na Assembleia Legislativa da Madeira entre 1992 e 1996, sendo o principal impulsionador do movimento para a elevação do Jardim da Serra a freguesia e reitera que “o Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira reconhece como um homem bom, corajoso, e preocupado com as desigualdades e injustiças sociais”.

Sacerdote identificado com os mais fracos

Já Edgar Silva recorda o “grande amigo” padre Mário Tavares como um padre da Igreja Católica “que se identificou com a luta dos mais fracos e dos mais pobres”.

“O padre Mário Tavares levou a vida com uma entrega total e plena a causas de afirmação da Humanidade e de progresso da condição humana”, afirmou Edgar Silva ao DN, recordando o padre que também foi deputado na Assembleia Legislativa da Madeira, candidato pela CDU.

A trajetória de vida de Mário Tavares é descrita por Edgar Silva como uma doação e entrega plena ao progresso das pessoas, à afirmação da condição humana, com uma clara aposta na formação e na qualificação. No fundo uma aposta na dignidade e na dignificação do povo, particularmente “dos mais pobres entre os pobres”.

“É uma história de vida que podemos falar como exemplar nessa entrega à causa do povo. É um homem da causa do povo, da causa dos pobres”, considerou.