Papa convida as virgens consagradas a serem “mulheres da misericórdia, peritas em humanidade”

“A vossa vocação evidencia a riqueza inexaurível e multiforme dos dons do Espírito do Ressuscitado, que renova todas as coisas (cf. Ap 21, 5). Ao mesmo tempo, é um sinal de esperança”, escreve Francisco ao recordar os 50 anos do Rito de Consagração do Ordo Virginum.

Vigília de Oração, JMJ Rio de Janeiro | 27.07.2013 | Foto: Vatican Media

Mulheres de esperança, de alegria, de ternura, de misericórdia, capazes de viver o dom da “sororidade”: assim o Papa Francisco definiu as consagradas da Ordem das Virgens, cujo Rito de Consagração está completando 50 anos.

O Pontífice enviou uma mensagem para marcar esta data, para a qual estava previsto um Encontro Internacional convocado pela Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica. O evento foi adiado devido à pandemia, mas o Papa quis do mesmo modo manifestar o reconhecimento da Igreja por este carisma singular.

Riqueza inexaurível

“A vossa vocação evidencia a riqueza inexaurível e multiforme dos dons do Espírito do Ressuscitado, que renova todas as coisas (cf. Ap 21, 5). Ao mesmo tempo, é um sinal de esperança”, escreve Francisco, que assim descreve esta vocação:

“A fidelidade do Pai continua ainda hoje a colocar no coração de algumas mulheres o desejo de serem consagradas ao Senhor na virgindade, vivida no seu ambiente social e cultural comum, radicadas numa Igreja particular, numa forma de vida antiga e simultaneamente nova e moderna”.

O dom desta vocação, prossegue o Papa, manifesta-se na “sinfonia da Igreja”, que se constrói quando pode reconhecer nestas consagradas mulheres capazes de viver o dom da “sororidade”.

Profecia

Eis então o apelo de Francisco: “não extingais a profecia da vossa vocação!”. O convite do Papa neste cinquentenário é reler e meditar os textos do Rito, onde ressoa o sentido desta vocação, que não pode ser vivida alheia do ambiente em que vivem. De fato, as virgens são chamadas a estar ao lado dos pobres e descartados.

“Sede mulheres da misericórdia, peritas em humanidade”, foi outra exortação do Pontífice. Mulheres, enfim, que acreditam “na força revolucionária da ternura e do afeto”.

Sabedoria

A pandemia, prossegue o Papa, ensina-nos que “é tempo de remover as desigualdades, sanar a injustiça”, por isso não se deve fechar os olhos nem fugir. Por meio da bondade, é preciso tecer relações autênticas, que resgatem da solidão e do anonimato os bairros de nossas cidades. É preciso sabedoria, desenvoltura e credibilidade da caridade para se opor à arrogância e evitar os abusos de poder.

Francisco então conclui: “Como sinal da Igreja Esposa, possais vós ser sempre mulheres da alegria, a exemplo de Maria de Nazaré, mulher do Magnificat, mãe do Evangelho vivente”.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano