São Valentim: «É importante celebrar o amor», escrevem bispos portugueses

Comissão Episcopal do Laicado e Família publica mensagem para o dia 14 de fevereiro, destacando «etapa fundamental» do namoro

D.R.

“É importante celebrar o amor”, refere o texto enviado hoje à Agência ECCLESIA

Os bispos sublinham a atenção pública que é dedicada a esta data, deixando uma saudação aos namorados que vivem este tempo “com alegria e vontade de percorrer e consolidar caminhos” e destacando as iniciativas que a Pastoral Familiar de diversas dioceses promove em torno do namoro e da educação para os afetos.

“O namoro, que o Dia de São Valentim exalta, é uma etapa fundamental para chegar ao compromisso: tempo de conhecimento mútuo, de consolidação da amizade e de diálogo franco sobre o futuro e os valores que o devem enformar”, pode ler-se.

Perante sociedade “atraída por sentimentos descartáveis”, a CELF refere que o amor “não é uma técnica nem um desejo instintivo ou narcisista”.

“Aos jovens namorados e aos casais que não deixam de namorar manifestamos a nossa proximidade. E exortamos as famílias e as comunidades eclesiais a serem companhia e apoio, de modo que os jovens possam descobrir o valor e riqueza do matrimónio”, conclui a mensagem.

Liturgicamente, 14 de fevereiro é o dia da festa de São Cirilo e de São Metódio, mas na Itália a Diocese de Terni celebra o seu padroeiro, São Valentim, primeiro bispo desta localidade, que morreu como mártir, provavelmente no século IV.

Este nome está ligado a algumas lendas, as quais Valentim teria morrido decapitado a 14 de fevereiro por se ter recusado a renunciar ao Cristianismo e por, secretamente, ter celebrado o casamento entre uma jovem cristã e um legionário, apesar da proibição de Cláudio II (século III).

OC