Natal da intromissão de Deus

D.R.

Sinal e mistério. O mistério não se intromete, é distante e invisível. O título da carta do Papa sobre o presépio de Natal é muito significativo. «O sinal admirável», o presépio de Jesus fala, incomoda, implica, insiste. O Menino, o Filho de Deus encarnado, é Deus connosco (Emanuel). Podemos não estar cientes dEle, mas a carne de Deus Menino existe em nós, em nossa casa e coração, nossa natureza. Ele vive ao nosso lado, ocupa espaço e tempo em nossas vidas.

Com os mistérios, tenta-se organizar e resolver as coisas, sozinho. O sinal do Deus, visível no tempo e no espaço, invade nossos planos. Um Deus distante e misterioso ainda pode ser ignorado e rimado com agnosticismo, indiferença. Um pequenino Deus-homem, visível que vive na minha tenda, chora e começa a falar, não pode mais ser ignorado; pode atrapalhar e desarrumar. Pergunte a São José, Maria, os pastores, os sábios, o rei Herodes: todos ficaram surpreendidos e tiveram que mudar de plano.

Em casa e na aldeia, Emanuel exige tempo, espaço e atenção. Um Deus-menino está lá, você vê. Quando ele cresce, requer ainda mais espaço, tempo e atenção. Ele fala e pede que as pessoas escutem; ele opina e se envolve em nossos planos. Ele se intromete, de surpresa, a propor seus planos. Já no A.T. um profeta foi enviado a Acaz; no N. T. Maria e José foram invadidos por Deus connosco (Emanuel), Deus com eles, Deus com você e comigo. Zacarias, «tua esposa terá um filho na velhice estéril». «É já o sexto mês», disse o anjo a Maria. «Não temas, José», abandona o teu plano e aceita o meu. Agora, Jesus sempre se intromete nas coisas de todos. No passado, o Deus invisível enviou mensageiros, anúncios, palavras, sentido, estrelas, alguns sinais, mas Ele não era visto.

Em Jesus, ele apareceu como sinal de carne e sangue e começou a falar, como aos doze anos aos doutores. Ele mora na terra, os discípulos escreveram o que ele disse nos evangelhos, e agora Ele não deixa ninguém em paz. Um momento, um segundo e ali está Ele a intrometer-se na vida de cada um. «Vimos a sua estrela e viemos adorá-lo». Herodes quer matá-lo. José recebeu ordens: «levanta-te, pega no menino e sua mãe e foge. Aos doze anos, ele pergunta e responde aos doutores. Ele pede a Pedro, André, Mateus que deixem seus planos e o sigam. Ele insiste com Zaqueu: «desce, depressa, quero ficar em tua casa». Com Saulo, ele é surpreendente: «por que me persegues»?

O Sinal Emanuel nunca será apagado, continuará a habitar com todos e a se intrometer na vida de todos. Está presente em milhões de presépios e muito mais tempo em muitos milhões de igrejas e capelas do mundo inteiro. O Deus Menino do Natal tira ao homem a ilusão de ser o centro do mundo; e faz enfrentar a mudança no homem e a aceitar ser filho e servo para ser perturbado por seu Senhor e Pai. E ser abençoado e amado nos planos de Deus, o Menino!

Neste ano de 2020, peça a Jesus para te incomodar quando estiveres distante Dele. Será uma bênção! Um feliz Ano Novo para todos neste dia da Epifania dos Reis Magos.