Machico: Festa de São Roque está de volta à respetiva capela 

D.R.

A Paróquia de Machico vai voltar a celebrar, depois de alguns anos de interregno, a Festa de São Roque na respetiva capela situada na parte ocidental da baía de Machico, já no próximo fim de semana (31 de Agosto e 1 de Setembro).

Na sua página de facebook o pároco de Machico, cónego Manuel Martins, deixa um convite a toda a comunidade para “participar nesta celebração” e a “colaborar também com uma oferenda, na romagem, para o leilão, ou se possível um donativo monetário.”

O pároco explica ainda que, “necessitamos da participação de todos a fim da angariarmos dinheiro para pagar a festa e ajudar a pagar os trabalhos de manutenção realizados na Capela de São Roque que rondam os 15 mil euros.”

Esses trabalhos foram ao nível do telhado, da pintura interior e exterior da pequena capela e ainda uma nova instalação eléctrica. “A participação de todos é muito importante nesta tarefa comum de preservarmos o nosso património edificado, histórico, religioso e cultural. Todos são necessários.”

A paróquia convida ainda “as Confrarias de Nossa Senhora da Graça e a Confraria do Santíssimo Sacramento a participarem no dia da festa (especialmente) e que os irmãos e irmãs tragam as suas capas para integrarem a procissão.”

O programa do festejos, em que não vão faltar as barraquinhas de comes e bebes, é o seguinte:

No sábado 31:
17H00 Romagem desde o Forum até à Capela de S. Roque.
18H00 – Actuação da Banda Municipal de Machico.
– Leilão
20H00 – Missa solene da vigília da festa
– Leilão
22H00 às 01H00 – Animação musical – Nova Geração.

Domingo 1:
14h00 – Atuação da Banda Municipal de Machico
16H00 – Missa solene da Festa de S. Roque
17H30 – Procissão com a imagem de São Roque
– Banda Municipal de Machico
– Atuação do Grupo de Folclore de Machico
– Leilão
– Animação musical – Grupo Nova Geração.
00H00 – Encerramento da Festa.

Agradecimento pelo fim da peste

Localizada, como já se disse, na baía de Machico, a primitiva capela foi mandada construir pelo segundo Capitão Donatário de Machico, Tristão Vaz Teixeira, como forma de agradecimento a São Roque, por este ter posto fim à epidemia da peste que grassou na Capitania de Machico, por volta de 1498.

Chegou a um estado de ruína, até que, em 1739, a Confraria mandou reconstituir o edifício, a pouco metros do local da primitiva.

No interior da actual capela de estilo barroco, encontra-se, no altar-mor, um retábulo em talha policromada barroca, datado de 1751, e o tecto está revestido em madeira de perfil curvo pintado com decoração vegetalista, e com a seguinte inscrição: “Eris in Peste Patronus”. 

A sacristia possui tecto de masseira e apresenta numa parede restos de revestimentos cerâmicos do tipo “maçaroca” do séc. XVII. O interior da capela está revestido com painéis de azulejo, representando a Vida do Santo patrono.