Fundação pontifícia promove corrente de oração mundial pelos cristãos perseguidos 

Cartaz

Para assinalar o quinto aniversário do início do genocídio das minorias religiosas na Planície de Nínive, no Iraque, a Fundação AIS (ACN) convida todos os Portugueses a recordar esta data tornando presente a memória das vítimas da perseguição religiosa. Aos Católicos, a Fundação AIS pede uma prece pelos Cristãos perseguidos, especialmente no Médio Oriente, uma das regiões no mundo onde a perseguição é mais cruel.

Um dos objectivos desta iniciativa é que, em todo o mundo, as pessoas nas paróquias sejam motivadas a participar numa corrente de oração mundial de apoio espiritual aos Cristãos que sofrem perseguição religiosa. “Não acontece aqui, mas acontece agora!”

Cristãos no Iraque: “No caminho rumo à extinção já não estamos dispostos a ir em silêncio”

A perseguição de cristãos no Iraque nos últimos anos não é um caso isolado. Para o arcebispo do Curdistão iraquiano, faz parte de um ciclo de genocídio em curso há 1.400 anos.

No dia em que se assinalam cinco anos desde que o Estado Islâmico atacou e ocupou as comunidades da planície do Nínive, no Iraque, forçando 125 mil cristãos a fugir, o arcebispo de Erbil reconhece que o seu povo pode estar à beira da extinção e aponta o dedo ao Islão.

Numa entrevista marcada pela franqueza, Bashar Warda fala das preocupações de um povo que continua a diminuir a olhos vistos, mas que não desiste de dar testemunho do perdão cristão.

O arcebispo pede aos políticos que deixem de intervir no Médio Oriente sem o compreender e avisa que o Ocidente não está livre do caos que submergiu o seu país.

Esta entrevista foi traduzida por Filipe Avillez e publicada na Renascença, a quem  a Fundação AIS muito agradece.