Escuteiros: cidadãos ativos no cuidado da «casa comum»

D.R.

A «renovação» da Europa

O Papa recebeu, no dia 3 de agosto 2019, no Vaticano um grupo de 5 mil escuteiros de 21 países europeus, incluindo Portugal, que percorreram esta semana uma rota de santos católicos, a caminho de Roma.

O ‘Euromoot’ 2019 reuniu guias e escuteiros da Europa com idades entre os 16 e os 21 anos, entre eles 10 guias-mais-velhas e 7 caminheiros portugueses; houve também participantes de outras regiões e países da América Latina e do Norte.

“Sejam construtores ativos de sociedades reconciliadas e integradas, que dão vida a uma Europa renovada. O escutismo quer formar homens e mulheres, que mantêm uma rota justa: a rota do bem”, declarou Francisco, durante o encontro festivo.

O Papa agradeceu a presença de todos e elogiou a coragem de ter percorrido tantos quilómetros, com liberdade, em vez de ficarem fechados num quarto a olhar para o telemóvel.

A intervenção assinalou as cinco etapas percorridas pelos escuteiros, seguindo santos católicos que viajaram pela Europa: Paulo de Tarso, Bento de Núrsia, Cirilo e Metódio, Francisco de Assis, Catarina de Sena. 

“Eles não esperavam nada da vida ou de alguém, mas confiaram em Deus, arriscando as suas vidas, colocando-se em marcha, para realizar seus grandes sonhos, que ainda hoje são exemplo para nós”, observou.

O Papa Francisco deixou uma exortação aos participantes: “Encorajo-vos a preparar o caminho do Senhor, onde quer que estejais: esse caminho é aquele que tem o sentido de doação, e deixa o mundo desenvolver-se. Tornai-vos cidadãos ativos, como disse Baden Powell”.

A União Internacional dos Guias e Escuteiros da Europa – Federação de Escuteiros da Europa (UIGSE-FSE) é reconhecida pela Santa Sé como associação privada de fiéis, de direito pontifício. 

Cuidar da «casa comum»

Entre os dias 22 de julho e 2 de agosto decorreu na Virgína Ocidental, Estados Unidos da América, o 24º Acampamento Mundial de Escuteiros (World Scout Jamboree), com 45 mil participantes de 150 países.

“Este Jamboree, que é coorganizado pelos Estados Unidos, pelo México e pelo Canadá, tem como tema principal precisamente o cuidar da casa comum, o cuidar do nosso ambiente e está muito ligado aos objetivos do desenvolvimento sustentável, o que marca esta irreverência dos escuteiros em continuarem a comprometer-se com um mundo melhor, mais saudável, um mundo que tenha futuro”, afirmou Ivo Faria.

Para o responsável pelo movimento de escutistas católico em Portugal, o acampamento contribui para a “marcar um vínculo” dos jovens com o cuidado da criação.

O chefe nacional do CNE acredita que “todo o povo americano há-de estar sintonizado” com as preocupações ambientais e de desenvolvimento defendidas pelos escuteiros.

Amar a Deus e servir o próximo

“É um tempo muito bom para nos encontrarmos uns aos outros e, para todos juntos, fazermos aquilo que o Escutismo nos ensina a fazer: Estarmos atentos a cada um, fazermos atividades e jogos que nos levam mais longe no amor a Deus e no serviço ao próximo”, disse D. Manuel Clemente no Pinhal Municipal de Ferrel, no Concelho de Peniche.

A organização do 14º ACANUC (acampamento de núcleo) informa que o tema ‘Casa Comum’ congrega “mais de 1800 escuteiros”, desde 28 julho a 2 de agosto, e conta uma delegação de escuteiros de Malta.

D. Manuel Clemente, que – na juventude – foi um dos fundadores do Núcleo do Oeste (1972), destacou que o Escutismo Católico “é uma grande escola”, “um acampamento escutista é a Igreja acampada”. 

“O que vivemos durante estes seis dias no Pinhal de Ferrel, vamos fazê-lo na ‘Casa Comum’ que são as nossas comunidades e os nossos agrupamentos”, disse o chefe de núcleo do Oeste, Carlos Pacheco, na cerimónia de abertura.

Numa mensagem-video enviada ao Núcleo, o responsável nacional do CNE, Ivo Faria, encorajou-os a defender o meio ambiente realçando que a terra onde vivem, “foi criada para que a pudéssemos usufruir mas também para a fazer crescer e torná-la num espaço cada vez mais agradável e que possa ser um espaço dos outros que venham a seguir a nós”.

No amor de Deus e no serviço do próximo vamos construindo a Casa Comum».