Jovens: descobri a beleza da juventude e anunciemos «juntos» Jesus Cristo

«Descobrir e realçar a beleza da juventude, significa lançar as bases da verdadeira solidariedade social e da cultura do encontro», Papa Francisco

D.R.

1.«Às vezes eu via árvores jovens e bonitas, que erguiam seus galhos para o céu, e pareciam uma canção de esperança. Mais tarde, após uma tempestade, eu as encontrei mortas, sem vida. Por possuírem poucas raízes, e sem profundidade no solo, sucumbiram aos assaltos da natureza. É por isso que me dói ver que alguns propõem aos jovens construir um futuro sem raízes. Porque “é impossível alguém crescer se não tiver raízes fortes que o ajudem a se levantar bem preso à terra», diz o papa Francisco (Exortação Apostólica Christis Vivit, 179).

 «Se uma pessoa faz uma proposta a um jovem e lhe diz para não aproveitar a experiência dos idosos, desprezar tudo o que passou e lhe oferece um futuro atraente, um jovem vazio, desenraizado, desconfiado de tudo, confia em suas promessas e se submete aos seus planos. Assim funcionam ‘ideologias’, e deste modo, podem dominar sem oposição. Eles precisam de jovens que desprezam a história, que rejeitam a riqueza espiritual e humana que tem sido transmitida através das gerações, que ignoram tudo o que os precedeu (CV, 180).

Os manipuladores dos jovens usam ainda outro recurso: a adoração da juventude. O corpo jovem é idolatrado e desejado sem limites, e o que não é jovem é encarado com desprezo.  Esvaziam os jovens de valores reais, usando-os para obter vantagens pessoais, económicas ou políticas» (CV, 182).

2. E o Papa Francisco faz um elogio à beleza da juventude: «Queridos jovens, não permitais que usem a vossa juventude para promover uma vida superficial, mas descobri a sua beleza:

Há uma beleza no trabalhador que regressa a casa sujo e bagunçado, mas com a alegria de ter ganho pão para seus filhos.

Há uma beleza extraordinária na comunhão da família reunida ao redor da mesa e no pão generosamente compartilhado, mesmo que a mesa seja muito pobre.

Há uma beleza na esposa desgrenhada e um tanto idosa que continua cuidando de seu marido doente além de sua própria força e saúde.

Há uma beleza na fidelidade dos casais que se amam no outono da vida e nos velhos que andam de mãos dadas.

Há uma beleza que vai além da aparência ou da estética da moda em todo homem e toda a mulher que vive sua vocação pessoal com amor, no serviço abnegado para a comunidade, para o país, no trabalho generoso para a felicidade da família, engajada no árduo trabalho anónimo e livre de restaurar a amizade social.

Descobrir, mostrar e realçar essa beleza, significa lançar as bases da verdadeira solidariedade social e da cultura do encontro» (CV, 183).

3.Hoje promove-se uma espiritualidade sem Deus, um afeto sem comunidade e sem compromisso com aqueles que sofrem, um medo dos pobres vistos como sujeitos perigosos, e uma série de ofertas que o querem fazer acreditar num futuro paradisíaco que sempre será adiado (CV, 184).

«Quero enfatizar que “muitos Padres sinodais de contextos não-ocidentais apontaram que em seus países a globalização traz consigo formas de colonização cultural, que arrancam os jovens das afiliações culturais e religiosas donde provêm. É necessário um compromisso da Igreja para acompanhá-los nesta passagem sem perder os traços mais preciosos de sua identidade». (Documento Final da XV AGO do Sínodo dos Bispos, 99) 

Assim, produz-se uma destruição cultural, tão grave quanto a extinção de espécies animais e vegetais. Por isso, numa mensagem aos jovens indígenas reunidos no Panamá, instei-os a “se encarregarem das raízes, porque das raízes vem a força que os fará crescer, florescer e dar frutos” (Mensagem EMJI, Panamá, janeiro 2019). 

«Proponho um caminho, feito de liberdade, entusiasmo, criatividade, novos horizontes, mas que ao mesmo tempo cultivem as raízes que nutrem e sustentam» (CV, 184)

4.«É verdade que o amor que alguém dá, muitas vezes falha pois quem arrisca, comete erros.

Deus em seu génio e sua misericórdia, leva em conta nossos triunfos e fracassos e tece com eles belíssimas tapeçarias. O verso do tecido pode parecer confuso com fios emaranhados – os eventos de nossas vidas – e talvez seja esse lado que não nos deixa em paz. No entanto, o lado bom da tapeçaria mostra uma história magnífica, e é este o lado que Deus vê” (A sabedoria do tempo. Em diálogo com o Papa Francisco sobre as grandes questões da vida . Por Antonio Spadaro, Veneza 2018, 162-163).

«Se caminharmos juntos, jovens e velhos, estaremos bem enraizados no passado, aprendendo com a história a curar as feridas que às vezes nos afetam; e no futuro, alimentando o entusiasmo, sonhando, profetizando, fazendo esperanças florescerem» (CV, 199).

«As raízes permitem-nos crescer e responder a novos desafios. Somos enviados hoje a anunciar a Boa Nova de Jesus em tempos novos, envolvidos no nosso tempo com suas possibilidades e seus riscos, com suas alegrias e tristezas, com suas riquezas e seus limites, com seus sucessos e seus erros” (Eduardo Pironio, Mensagem aos jovens argentinos no encontro nacional de jovens em Córdoba – 12 a 15 set.1985, 2).

Não nos deixemos enganar nem por jovens que pensam que os adultos estão ultrapassados, nem por adultos que julgam que sempre sabem como os jovens se devem comportar. Juntos procuremos um mundo melhor, sob o impulso sempre novo do Espírito. (CV, 201)