Que fazer?

Marc Chagall, Crucificação branca, 1938, Art Institute of Chicago

Um é fraco, aquele, limitado,

Tantos ostentam defeitos,

Algum passeia, desviado: 

Todos precisam ser refeitos.

Que fazer?

Aqui são doentes, sem remédio,

Ali pecadores, de recaídas;

Estes tristes, cheios de tédio,

E outros de mentes ruídas. 

Que fazer?

Estes roubam à descarada,

Aqueles, podres de corrupção,

Uns de cara envernizada,

Por dentro são podridão.

Que fazer?

Já viram manchas na Igreja?

E mais, noutras paragens.

Que estas, ninguém  as veja!

 Daquelas, distribuir imagens.

Que fazer?

Para aqueles, inquisição aberta,

Para estes, olhos vendados.

Nuns, são crime e depravação,

Noutros, mal chega a pecados.

Que remédio?

Denunciar, prender, castigar!

Tribunal, cadeia, pagamento,

Dizem com suposta razão.

E para os que são ocultados?

Replicam os inconformados,

Não serão também culpados?

Melhor, a todos dar compaixão,

Silêncio, oração e perdão;

Atire pedra, alguém sem pecado;

Ou então: Pai, perdoa-lhes, suplica

O da  cruz a morrer; pra ressuscitar.