Festa de Santa Rita com fé e tradição

D.R.

As novenas de preparação para a festa de Santa Rita vão ser celebradas de 17 a 24 de maio com início às 20 horas, na igreja daquela paróquia situada na freguesia de São Martinho.

No sábado, 18 de maio a novena e missa começará pelas 19 horas.

A festa  de Santa Rita decorrerá no domingo 26 de maio com Eucaristia às 15 horas, presidida por D. Nuno Brás, Bispo do Funchal.

Após as celebrações litúrgicas, às 16h30, realizar-se-á a procissão, que é uma das maiores da Madeira e na qual se integram muitas centenas de pessoas, a maioria no cumprimento de promessas a Santa Rita.

O percurso longo é percorrido com muita devoção e são muitas as pessoas que transportam velas, círios e ex-votos, como forma de agradecimento pelas graças que alcançaram pela intercessão de Santa Rita.

À chegada à igreja haverá a bênção das rosas, uma tradição daquela festa.
No sábado, dia 25, às 16h30 principiarão as romagens e às 21 horas, no adro atuará o conjunto musical «Galáxia» havendo fogo de artifício às 23h30.

Funcionarão, no adro, um bazar e barraca em favor da Igreja, havendo também a venda de objetos religiosos e rosas.

O arraial, no domingo 26 de maio, integra a Banda Municipal do Funchal às  14 horas e o conjunto «Galáxia» das 19h30 até à meia noite.

Santa Rita, a grande defensora dos aflitos, nasceu em Rocca Porena, perto de Cássia (Itália), em 22 de Maio de 1381.O seu nascimento foi precedido por sinais maravilhosos e visões celestiais que fizeram os seus pais perceberem algo da futura e providencial missão de Rita, que seria colocada no mundo para instrumento da misericórdia de Deus em favor da humanidade sofredora.

Um dia uma parente foi visitá-la, ela agradeceu a visita e ao se despedir pediu que lhe trouxesse algumas rosas do jardim. Como era inverno e não tinha rosas, pensaram que Rita estava a delirar e a sua visitante não atendeu ao pedido. Como para voltar para casa teria que passar pelo jardim olhou e surpreendeu-se ao contemplar quatro lindas rosas que se abriram entre os ramos secos. Admirada do prodígio, entrou no jardim, colheu as flores e levou-as ao Convento de Cássia. Nesta época, Rita estava muito doente e morreu em 22 de maio de 1457.

No século XVII foi beatificada e em 24 de Maio de 1990, canonizada.
O corpo de Santa Rita de Cássia continua conservado intato até hoje. Pode ser visto na Igreja do Convento de Cássia, dentro de um relicário de cristal.

[atualizado às 11h50]