Papa Francisco chega à Bulgária “ponte entre o leste e o sul da Europa, porta para o Médio Oriente”

Em seu primeiro discurso em terra búlgaras, o Pontífice explicou que a sua visita à Bulgária se realiza na esteira de São João Paulo II, que visitou o país em maio de 2002, e na memória de Dom Angelo Roncalli, futuro Papa João XXIII, que foi Delegado Apostólico em Sófia, durante quase dez anos.

Viagem Apostólica do Papa Francisco à Bulgária, 05.05.2019 | Foto: Vatican Media

O Papa Francisco deixou o Vaticano, na manhã deste domingo (05/5), para mais uma Viagem Apostólica do seu Pontificado, a de número 29, que o leva a dois países: a Bulgária e a Macedônia do Norte.

O Santo Padre partiu do aeroporto internacional de Fiumicino às 7h10 (2h10 de Brasília) e, após menos de duas horas de viagem, chegou ao aeroporto de Sófia, capital da Bulgária.

Durante a viagem, como faz habitualmente, o Pontífice enviou telegramas aos Chefes de Estado dos países sobrevoados: Itália, Croácia, Bósnia-Herzegovina, Montenegro e Sérvia.

Ao chegar ao aeroporto de Sófia, o Papa foi recebido pelo Núncio Apostólico, Dom Anselmo Guido Pecorari, pelo Primeiro Ministro, Boyko Borisov, com o qual manteve um encontro privado.

A seguir, Francisco dirigiu-se automóvel ao Palácio Presidencial de Sófia, para uma visita de cortesia ao Presidente búlgaro, Rumen Radev, e a cerimônia de boas-vindas.

Depois, diante do Palácio Presidencial, na Praça Atanas Burov, o Santo Padre manteve um encontro com as Autoridades, a Sociedade Civil, o Corpo Diplomático e representantes de várias Confissões Religiosas.

Após as palavras de boas-vindas do Presidente búlgaro ao Papa, Francisco pronunciou seu discurso expressando sua alegria por encontrar-se na Bulgária, onde se encontra para confirmar seus irmãos na fé e encorajá-los no seu caminho e testemunho de vida cristã. E, ao agradecer as autoridades civis e religiosas presentes, Francisco disse:

“[A Bulgária] é um lugar de encontro entre múltiplas culturas e civilizações, ponte entre o leste e o sul da Europa, porta para o Médio Oriente; uma terra de antigas raízes cristãs, que favorecem o encontro seja entre a comunidade local como a internacional. Aqui, a diversidade, no respeito pelas peculiaridades específicas, é vista como uma oportunidade e uma riqueza, não como contraste”.

Neste sentido, o Papa cumprimentou, cordialmente, Sua Santidade o Patriarca Neofit, os Metropolitas e Bispos da Santo Sínodo, os fiéis da Igreja Ortodoxa, os cristãos das outras Comunidades eclesiais, os membros da Comunidade judaica e os fiéis muçulmanos. E recordou:

“Reafirmo com vocês a forte convicção de que os verdadeiros ensinamentos das religiões convidam a permanecer ancorados nos valores da paz; apoiar os valores do conhecimento mútuo, da fraternidade humana e da convivência comum”.

Assim, Francisco convidou a aproveitar da hospitalidade que o povo búlgaro oferece, para que cada religião, chamada a promover harmonia e concórdia, possa contribuir para o crescimento de uma cultura e um ambiente, no respeito da pessoa humana e da sua dignidade, das civilizações e tradições diferentes rejeitando toda a violência e coação.

Neste contexto, o Pontífice explicou que a sua visita à Bulgária se realiza na esteira de São João Paulo II, que visitou o país em maio de 2002, e na memória de dom Ângelo Roncalli, futuro Papa João XXIII, que foi Delegado Apostólico em Sófia, durante quase dez anos. Sobre ele Francisco disse:

“São João XXIII trabalhou com afinco para promover a colaboração fraterna entre todos os cristãos e com o Concílio Vaticano II, – por ele convocado e presidido na sua primeira fase, – deu grande impulso e incisividade ao desenvolvimento das relações ecumênicas”.

Em continuação a estes acontecimentos providenciais, – recordou Francisco, – há quase cinquenta anos, uma Delegação oficial Búlgara, visita anualmente o Vaticano por ocasião da festa dos Santos Cirilo e Metódio. Sobre estes dois “Apóstolos dos Eslavos” disse:

“Eles evangelizaram os povos eslavos e estiveram na origem do desenvolvimento da sua língua e cultura e, sobretudo, de abundantes e duradouros frutos de testemunho cristão e de santidade. Os Santos Cirilo e Metódio, padroeiros da Europa, continuam sendo exemplo, por mais de um milênio, e inspiradores de diálogo fecundo, harmonia e encontro fraterno entre as Igrejas, os Estados e os povos!”

Na atual conjuntura histórica, trinta anos depois do fim do regime totalitário, que dificultava a liberdade e as iniciativas, – afirmou Francisco, – a Bulgária arca, hoje, com as consequências da emigração de mais de dois milhões de seus cidadãos que vão à busca de novas oportunidades de vida e de trabalho. Por outro lado, defronta-se com o fenômeno dos que fogem das guerras, dos conflitos ou da miséria, em busca de uma vida melhor no rico Continente europeu.

O Santo Padre encorajou os governantes da Bulgária a continuarem a criar condições para que, sobretudo os jovens, não sejam obrigados a emigrar. Por outro lado, fez-lhes um apelo “a não fechar os olhos, o coração e as mãos aos que batem à sua porta”. E concluiu seu discurso com a exortação:

“Este país sempre se distinguiu como ponte entre Oriente e Ocidente, favorecendo o encontro entre diferentes culturas, etnias, civilizações e religiões, que há séculos vivem em paz aqui. Esta terra fértil pelo trabalho humilde de tantas gerações e aberta aos intercâmbios culturais e comerciais, integrada à União Europeia e com sólidos laços com a Rússia e a Turquia – possa oferecer aos seus filhos um futuro de esperança! Que Deus abençoe a Bulgária e a mantenha sempre pacífica, acolhedora, próspera e feliz!”