Solenidade de São Tiago Menor: Bispo diz que é preciso combater “a peste do egoísmo”

Foto: Duarte Gomes

D. Nuno Brás presidiu esta quarta-feira, dia 1 de Maio, à Solenidade de São Tiago Menor. Foi a primeira vez que o bispo do Funchal marcou presença na procissão do voto, que este ano partiu da Sé rumo à igreja do Socorro, e à Eucaristia que se lhe seguiu, em honra do padroeiro da cidade e que contou com a presença de autoridades regionais, Municipais, militares e representantes diocesanos.

Na homilia o prelado sublinhou que, tal como nos tempos das epidemias de peste, que levaram os madeirenses a pedir a proteção de São Tiago Menor, continuamos hoje a precisar combater as “tantas pestes” que continuam a existir. “Pestes que são epidemias, doenças endémicas” e “outras tantas pestes, não menos graves (pelo contrário), que nos retiram o sentido da existência, que fecham os horizontes da nossa vida. Precisamos de Deus e dos seus amigos e nossos protetores”, assinalou.

Para as enfrentar, frisou o prelado, precisamos “da presença de um Deus que nos salve de nós mesmos e da tentação, sempre presente, de espalhar a peste do egoísmo e da auto-suficiência; a peste do domínio do próximo e do seu tratamento como objecto; a peste do domínio da natureza, que esgota hoje os seus recursos e impede a vida das gerações vindouras”.

Precisamos, prosseguiu, “da presença de um Deus que nos salve, que nos continue a salvar e que nos ajude a viver nos grandes momentos de dificuldade e naqueles do simples quotidiano”.

Depois de sublinhar que ”Deus não é indiferente à nossa existência. Não vive impassível num sereno olimpo, enquanto o ser humano sofre, luta, morre”, D. Nuno Brás apelou aos muitos fiéis que enchiam por completo a Igreja do Socorro, para que continuem a confiar-se “à intercessão daquele Tiago, que fazia parte do grupo dos Doze, a quem o Senhor chamou ‘amigos’. E cujo título de ‘menor’ significa apenas ‘mais jovem’ e a pedir-lhe que “hoje como no início da vida dos madeirenses, Jesus nos continue a proteger, a dar força, a caminhar e a construir uma sociedade onde todos possam progredir no sentido de uma vida sempre é cada vez mais humana”.

Recorde-se que São Tiago Menor foi escolhido como padroeiro da Diocese e da Cidade do Funchal em 1521. Em 1523 o Bispo, a Câmara Municipal e o Cabido da Sé prometerem realizar todos os anos uma procissão em honra de São Tiago Menor, Apóstolo, Voto que se cumpre até hoje.