Paris: Incêndio na Catedral de Notre Dame

Foto: Geoffroy van der Hasselt/AFP/Getty Images

Um incêndio de grandes proporções atingiu a Catedral de Notre-Dame em Paris ao final da tarde desta segunda-feira, 15 de abril, segundo dia da Semana Santa.

O pináculo da torre central já colapsou e o fogo continua a alastrar pelo teto da catedral apesar dos esforços dos bombeiros que se dirigiram ao local pelas 17h50.

O Vaticano acolheu com “incredulidade e tristeza a notícia do terrível incêndio que assolou a catedral de Notre-Dame de Paris, símbolo do Cristianismo, na França e no mundo. Expressamos a nossa proximidade aos católicos franceses e à população parisiense. Rezamos pelos bombeiros e por todos os que fazem o seu melhor para enfrentar esta situação dramática”, declarou Alessandro Gisotti, diretor da Sala da Imprensa da Santa Sé.

O Arcebispo de Paris, D. Michel Aupetit, dirigiu uma mensagem aos padres da diocese: “Os bombeiros de Paris ainda lutam para salvar as torres de Notre-Dame de Paris. O sótão, o telhado e o pináculo foram consumidos. Rezemos. Se desejarem, podem tocar os sinos das vossas igrejas para convidar a oração”, escreveu.

D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa partilhou uma mensagem: “Grande é a tristeza com o incêndio na Catedral de Notre-Dame, coração religioso e artístico de Paris e referência maior para todos nós. Estamos próximos da cidade, da diocese e do seu Arcebispo, certos da ressurreição que tudo tem em Cristo!”

A Catedral de Notre Dame é um dos monumentos mais visitados da Europa.

Segundo uma primeira indicação dos bombeiros o incêndio está “potencialmente ligado” às obras de restauro em curso.

O Presidente da Conferência Episcopal Francesa (CEF), D. Eric Moulin-Beaufort, Arcebispo de Reims, reagiu ao Jornal Francês “La Croix”: “Tive um grito de horror. Eu fui ordenado nesta catedral. Este lugar representa tantos eventos, seja no momento do assassinato do Padre Hamel ou para o 800º aniversário. Eu tenho uma grande lembrança do encontro em frente à catedral depois dos ataques de Bataclan em novembro de 2015. Para um parisiense, a Notre Dame é uma espécie de evidência. Passei esta tarde à sua frente. Este drama nos lembra que nada nesta terra é feito para durar para sempre. Eu penso muito sobre a diocese de Paris. A missa crismal não poderá ser celebrada. É uma parte da nossa carne que está ferida. Mas espero que isso crie um novo impulso, um movimento universal”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa enviou uma mensagem ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron: “Caro Presidente Macron, meu Amigo: Uma dor que nos trespassa o olhar e logo nos marca a alma, Paris sempre Paris ferida na sua Catedral em chamas, um símbolo maior do imaginário coletivo a arder, uma tragédia francesa, europeia e mundial.

[atualizado às 21:10]