Quaresma em tempo de obscuridades e tentações

D.R.

A vida está semeada de altos e baixos, de stresses e de esforços para os enfrentar. Muitos esforços são orientados para sair das obscuridades inevitáveis da vida e encontrar o seu sentido verdadeiro. Não faltam percalços de se perder na escuridão das mentiras.

Os meios noticiosos oferecem dia-a-dia notícias de euforia e de depressão: factos alegres e tristes, de fraternidade e terrorismo, de amor e paz e de ódio e violência. Não faltam armadilhas, respostas desviantes, golpes de magia perante quem deve servir quem na vida.

Os prodígios das tecnologias à mistura com realidades virtuais alimentam exageros de autoconfiança e ilusões instantâneas de resolver tudo em proveito próprio como se o sentido da vida fosse o viver centrado em si mesmo.

As tecnologias como meios de buscar o prazer geram inúmeras frustrações na cultura atual. As armadilhas incitam desejos de ser o centro do mundo e de se bastar sem ajuda da palavra de Deus. Ficam fora de validade os mandamentos da lei divina, os princípios do Evangelho, a verdade e realidade de Deus criador, e os modelos de vida sábios e santos.

Cada um é sua medida, seu juiz e seu senhor. Quando se falha perante obstáculos e impossíveis intransponíveis, esforços frustrados e sofrimentos intoleráveis, surge a tentação de recorrer a soluções rápidas, mágicas: drogas de felicidade, jogos de riquezas, mentiras delirantes.

Algum diabo acena com riqueza instantânea, sem dor, e o fim de todos os problemas. A pressa pode ser tal que não interessa se a oferta é acompanhada da exigência de alienação, de venda de si mesmo e de sacrificar alguém mais. Aqui tens isto, isto e isto, e tudo fica resolvido. Aceitas? Se aceitas tens que me dar isto em troca. O quê? Só isto: vais fazer o que eu te ordenar. Não se diz logo, mas pode ser traficar droga, subornar e comprar pessoas, crianças, mulheres e homens, corromper, matar. Se aceitas terás tudo o resto, serás rico, já. Não se pede muito, apenas que o autoconfiante frustrado se deixe vender e aceite ter um novo dono; e obedecer-lhe com submissão devota. “Tudo isto te dou, se prostrado me adorares”.

Outra miragem para sair das frustrações são as ousadias de riscos inauditos. A coragem cega vem acompanhada de forte desejo de ter audiências em espetáculos de impressões chocantes. A experiência de ser o ídolo mais admirado e bem pago pode exigir-se ao ídolo doses crescentes de risco para causar novos níveis de espanto e sedução. Exigir o abandono da identidade verdadeira; renunciar a própria dignidade humana: envernizar-se e vender-se para continuar a ser adorado. Atreve-te, transgride, desafia Deus. Vais ser adorado e servido por todos. Até pelos anjos! Só por Jesus se pode aceitar o risco corajoso de deixar tudo com a certeza de que não se perde nada.

A Quaresma propõe três modelos de redução de frustrações e do stresse sem cair nas fakenews da mentira de si mesmo e nas armadilhas de falsos ajudantes. E mais que isso, de não acabar na fossa do desespero absurdo e mortífero. Pede a renúncia à falsa omnipotência e a aceitação humilde de Deus. O respeito pela realidade e verdade de si mesmo é remédio fundamental para os males da vida. É incontornável a escolha entre a mentira de ser dono de tudo, ficar reduzido a escravo do diabo e a de aceitar ser criatura de Deus Pai. A escolha da verdade leva à humildade da adoração do Criador. Só o Pai é verdadeiro criador e dono de tudo. O diabo é mentiroso por natureza. Os homens são dotados da dignidade e liberdade de serem semelhantes a Deus.

Entre uma vida de grandezas e espetáculo de falsidades, o penitente da Quaresma escolhe a verdade e a humildade. Na narração das tentações no deserto Jesus, Filho de Deus, dá as três chaves do real para as obscuridades do caminho da vida (Lc 4,1-13): Para viver o sentido da vida a palavra de Deus está acima da autossuficiência do homem; adorar a Deus, acima de ser dono de muita riqueza e adorar o diabo; respeitar humildemente a realidade, acima dos espalhafatos de tentar a Deus para ser um ídolo. Estas chaves do Espírito de verdade abrem a porta à vida transparente, de stresse reduzido e feliz.