Madre Virgínia, vida escondida em Deus

Pagela da Madre Virgínia

Por Grupo de Oração pela beatificação da Madre Virgínia

As Religiosas Clarissas da Caldeira, Câmara de Lobos, reconhecendo o trabalho desenvolvido pelo Grupo de Oração, em missão pelas Paróquias da Ilha da Madeira, ofereceram as pagelas que distribuímos e que muito nos ajudam não só a dar a conhecer melhor a Madre Virgínia Brites da Paixão como também a promover o espírito de oração pela causa da sua beatificação.

Como seria belo e proveitoso se toda a Madeira rezasse por esta causa!

A oração da pagela, pode ser feita em Novena (de forma privada) para pedir a intercessão da Madre Virgínia junto do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria, a fim de obter graças, que ao serem concedidas, glorificá-la-ão diante da Santa Igreja.

A convicção do orante é a de que a Madre Virgínia foi escolhida por Deus para:

– Viver em íntima união com Ele

– Manifestar aos homens a alegria de O conhecer e amar

– Difundir a devoção ao Imaculado Coração de Maria

Na verdade, a vida da Madre Virgínia, no dizer da Irmã Otília R. Fontoura que procedeu a uma análise criteriosa dos seus escritos, dos escritos do Padre Prudêncio e dos testemunhos de pessoas credenciadas, foi “uma vida escondida em Deus”.

Escondida, não por vergonha, mas por ser humilde e querer viver só para Deus. No silêncio, ela procurava imitar as virtudes de Nossa Senhora com simplicidade e amor.

Escondida para poder meditar na Paixão do Senhor Jesus e Lhe demonstrar vontade de sofrer com Ele para O consolar e O desagravar das nossas ingratidões e indiferenças.

Escondida para passar horas em frente do Sacrário fazendo companhia ao Senhor Jesus, presente na Hóstia Consagrada.

Escondida para pedir por todos os que vinham de longe mendigar a sua intercessão junto de Deus, nos momentos mais difíceis das suas vidas.

Em intimidade com Deus, Madre Virgínia foi ganhando a estima do povo e fama de santidade.

Preocupada sobretudo com os moribundos visitava-os preparando-os para receberem o Sacramento da Unção, pois queria que as almas destes fossem para o Céu.

Quando foi intimada a sair do seu Convento, levou consigo a imagem do Senhor da Paciência que ela tanto amava. Esta imagem do século XVII, em madeira policromada, já existia no Convento das Mercês, fora oferecida à Irmã Brites da Paixão e a Madre Virgínia que herdara o sobrenome dela, Brites da Paixão, levou o Senhor da Paciência consigo para o Lombo dos Aguiares e juntos passavam horas a conversar.

Foi assim, nesta intimidade consigo, que Jesus foi preparando A Madre Virgínia para a grande missão que lhe quis confiar: A difusão da devoção ao Imaculado Coração da Sua Santíssima Mãe.