Papa na audiência geral: A oração é a vitória sobre a solidão e sobre o desespero 

Audiência geral do Papa Francisco | Sala Paulo VI, Vaticano 09.01.2019 | Foto: Vatican Media

“Rezar é desde agora a vitória sobre a solidão e o desespero”, disse o Papa na catequese de hoje.

O Papa Francisco deu continuidade às catequeses sobre o Pai Nosso na audiência geral desta quarta-feira, 9 de janeiro com o tema inspirado no Evangelho de S. Lucas: “Batei e abrir-se-vos-á”.

Jesus reza por nós

Antes de tomar as decisões mais importantes Jesus “dialoga com o Pai” e “retira-se frequentemente em solidão, para rezar”. Jesus continua a rezar por cada um de nós – referiu o Papa – como intercedeu por Pedro “para que a nossa fé não desapareça”.

A oração também está presente na morte do Messias. “As horas da paixão aparecem assinaladas com uma calma surpreendente”. Vemos Jesus que “consola as mulheres, reza pelos que o crucificam, promete o paraíso ao bom ladrão, expira dizendo: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”.

Dirigir-se a Deus como Pai

Os discípulos que viam Jesus a rezar apresentam-lhe este pedido: “Senhor, ensina-nos a rezar”. Deste pedido “nasce um ensinamento bastante extenso, através do qual Jesus explica aos seus com que palavras e com que sentimentos devem dirigir-se a Deus”.

“O cristão dirige-se a Deus chamando-o, antes de tudo ‘Pai’. Neste sentido o Papa convidou a “sentir que temos um Pai, não um patrão, nem um padrinho, mas um pai”.

Para dar confiança à oração, Jesus explica que é preciso rezar com insistência como o amigo inoportuno da parábola  que durante a noite perturba um amigo e sua família pedindo pão para alguém que chegou de viagem. O Papa ilustrou também a atitude do crente que reza com a questão: ”Qual pai entre vós se o filho lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra em vez de peixe?”.

Audiência geral do Papa Francisco | Sala Paulo VI, Vaticano 09.01.2019 | Foto: Vatican Media

A oração transforma, Deus responde sempre

“Com estas parábolas Jesus faz entender que Deus responde sempre, que nenhuma oração fica sem ser ouvida, porquê? Porque Ele é Pai e não esquece os seus filhos que sofrem”, referiu Francisco. 

Diante da experiência das orações que parecem não ter resultado, de bater á porta e encontrá-la fechada,“Jesus recomenda-nos, nesses momentos, para insistir e a não nos darmos por vencidos. A oração sempre transforma a realidade, sempre. Se não mudam as coisas à nossa volta, pelo menos muda-nos, muda o nosso coração. Jesus prometeu o dom do Espírito Santo a todo homem e mulher que reza”, assinalou.

“Podemos estar certos de que Deus responderá. A única incerteza é devida aos tempos, mas não duvidamos que Ele responderá. Talvez tenhamos que insistir por toda a vida, mas Ele responderá”. E no final do caminho, no fim da oração “há um Pai que espera por tudo e todos com os braços abertos – concluiu o Papa – Olhemos para este Pai”.