Ordem Hospitaleira de S. João de Deus: Profissão solene do Irmão Inácio no Trapiche

A Profissão Solene do Irmão José Inácio será no dia 8 de dezembro na Casa de Saúde de S. João de Deus no Trapiche | D.R.

O Irmão José Inácio Pacheco da Silva da paróquia de S. Jorge, um dos três Irmãos de S. João de Deus madeirenses vivos, vai consagrar-se em celebração presidida por D. Antonio Carrilho no dia 8.12.2018, solenidade da Imaculada Conceição.

Lembramos que 52 rapazes madeirenses se iniciaram no discernimento vocacional para ser Irmãos na Quinta do Trapiche, chegando 39 ao noviciado, 32 à primeira profissão e 15 à solene. Destes candidatos 20 eram naturais do Funchal, 12 de Câmara de Lobos, 9 de Santana, 4 de S. Vicente e 7 dos restantes concelhos.

Dos 15 que professaram solene o primeiro entrou na Ordem em 17 de maio de 1907, por ocasião dos primeiros contactos de Irmãos esmoleiros na Madeira. Foi António Maria Rodrigues do Nascimento (23.09.1881-8.10.1947) natural de Água de Pena (lugar da Torre), Machico. Sendo aluno dos Salesianos em Viana do Castelo, pediu para ser Irmão de S. João de Deus, possivelmente por ter tido contactos com Irmãos esmoleiros na sua terra. Este Irmão participou no arrendamento da Quinta do Trapiche, em 1922 e, mais tarde, foi Superior na Casa de Saúde de S. Miguel, Açores, e duas vezes na de Barcelos.

A partir de 1925 entraram: Leonardo Ferreira, natural de Câmara de Lobos, em 22.08.1925 e falecido a 24.07.1965 no Telhal; David Freitas Capelo, de Santo António, em 08.12.1925, estudou para sacerdote em Angra do Heroísmo e celebrou a missa nova no Trapiche, foi missionário entre os leprosos em Moçambique vindo a falecer em 24.07.1965, no Telhal; António Gonçalves de Jesus, de Câmara de Lobos, em 08.10.1926, falecido a 09.04.1939, em Barcelos; António de Freitas Bárbara, do Faial, Santana, entrado em 16.05.1927, trabalhou em Angra do Heroísmo e foi durante muitos anos esmoleiro para que o Hospital de S. João de Deus de Montemor-o-Novo pudesse tratar crianças “aleijadas” pobres de todo o país, incluindo Madeira e Açores, vindo a falecer em 18.08.1995 naquela Casa; José Cipriano Correia, nascido a 26.09.1912, no Jamboto, Santo António, entrou em 1931, trabalhou em diversas casas: Telhal, Roma, Terra Santa, Brasil tendo falecido em Barcelos em 2010; em agosto de 2008, depôs no processo diocesano para a beatificação da Madre Virgínia Brites da Paixão, clarissa, que ele conheceu já com reputação de santidade e de dons místicos, cuja urna foi transportada pelos irmãos do Trapiche ao cemitério em 1929. Também de Santo António, José Gonçalves Lucas, entrou em 25.11.1935, trabalhou em S. Miguel, Açores, e no Hospital de S. João de Deus em Divinópolis (M.G., Brasil), onde faleceu de acidente, com fama de grandes virtudes, em 03.03.1985; Augusto Arnaldo Neves, entrado em 1935, foi superior em várias casas e faleceu em Montemor-o-Novo, em 16.06.1997. Na década de 40, entraram os madeirenses Manuel Joaquim Matos, de Boaventura, em 11.02.1940, falecido no Trapiche em 25.08.1983; António Arlindo Fernandes Figueira, do Trapiche, entrado em 26.12.1940 e falecido em 19.11.1965 no Telhal; Vasco Thiago Nunes Quental, do Funchal em 04.03.1941, que trabalhou no Telhal e faleceu em 16.01.1959 no Trapiche. Antes de entrar terá sido sócio da “União Familiar”, proprietária da Quinta do Trapiche, e foi sepultado na campa que tinha doado à Ordem. O Irmão Manuel Fernandes Pimenta, do Boliqueime, 1928, entrou em 1943. Teve ação notável na Casa de Saúde S. João de Deus como superior/diretor de 1971 a 1977, tendo renovado e enriquecido com peças de arte a capela e outros locais, e construído numerosos presépios monumentais muito visitados. Faleceu nesta Casa em 16.11.1985. João Manuel Barreto Júnior, em 10.02.1946, falecido de acidente em 04.07.1966 no Telhal, antes de professar.

Três Irmãos estão vivos: José Paulo Simões Pereira, da Encarnação, Estreito de Câmara de Lobos, que foi Provincial de 2001 a 2007 e é superior atual da Missão de Nampula em Moçambique; Paulo Irineu Cortes de Gouveia, da Serra de Água, é superior em Lisboa; e por fim o professante, Irmão José Inácio Pacheco da Silva da paróquia de S. Jorge, entrou na Ordem em 2010, fez o noviciado em S. Paulo, Brasil, e primeira profissão em 02.02.2012, continuando a formação em Barcelos, trabalha atualmente em Montemor-o-Novo. Lembramos, por fim, que, além de 3 Irmãos madeirenses falecidos no Trapiche, faleceram aqui mais 8 do continente de que damos os nomes e as datas: Francisco André Peres, 13.01.1985; Manuel de Melo Braga (Açores), 27.02.1993; Alexandre Tavares Martins, 20.06.1994; Manuel Maria da Cruz, 13.11.1995; Manuel Pedro Conceição (Luis Gonzaga), 08.04.1996; e António Augusto Pires Janela, 25.02.1999; Albino Jorge Lopes, 25.12.2004; Manuel Pereira, 10.06.2008.