Faleceu o maestro Victor Costa 

Foto: Duarte Gomes

O maestro João Victor Costa, autor da música do hino da Região, faleceu na manhã desta quinta-feira, aos 79 anos.

Natural do Estreito de Câmara de Lobos, onde nasceu no dia 24 de Abril de 1939, é filho de Joaquim da Costa e de Rosa de Jesus, ambos naturais daquela freguesia do concelho de Câmara de Lobos.

Frequentou durante nove anos o Seminário Diocesano, onde se começou a dedicar à música, nomeadamente à composição de música sacra. Em 1959, sai do seminário e ingressa na então Academia de Música e Belas Artes da Madeira, onde tira o curso superior de canto e de composição e onde também frequenta o curso superior de piano.

Em 1964, terminados os estudos nesta Academia, recebe da Fundação Calouste Gulbenkian uma bolsa de estudo para o aperfeiçoamento artístico no estrangeiro. Matriculando-se no Conservatório Superior de Munique, onde, durante três anos, se especializaria na interpretação de oratória e ópera. Frequentou, além disso, outros cursos de aperfeiçoamento em Salzburgo e Viena.

Por essa altura, teriam lugar os primeiros contratos para a realização de concertos públicos, o primeiro dos quais, uma série de concertos por Israel, onde integrado num quarteto de cantores de diversas nacionalidades, efectuou vinte actuações.

Seguir-se-ia um contrato como tenor lírico. No campo da opereta, há que destacar o papel de o conde em Noite de Veneza de J. Strauss, que desempenhou durante cerca de três meses. Na Checoslováquia, onde actuou diversas vezes, obteve assinalável êxito, sobretudo na parte de tenor do Requiem de Verdi.

Em novembro de 1972, no Teatro D. Luís, acompanhado pela orquestra Filarmónica de Lisboa “Os amores do Poeta”, do Dr. Ivo Cruz, nos festivais camonianos da cidade de Lisboa, promovidos pela Câmara Municipal de Lisboa tendo a crítica feito as melhores referências à sua actuação.

Em 1973, desempenhou o papel principal na opereta o “Conde de Luxemburgo” levada ao palco no Teatro da Trindade.

Para além de cantor, dedicou-se à composição, tendo sido admitido na Sociedade de Compositores Alemães. 

A partir de 1986 fixa-se na região e ingressa no Conservatório de Musica da Madeira como professor de Canto, desenvolvendo significativa actividade como maestro de vários grupos corais, alguns dos quais ajudou a nascer.

Além do ‘Hino da Madeira’, é autor de outros 16 hinos para diversas instituições e de mais de 100 canções eruditas.

Foi alvo de diversas condecorações, tendo recebido, em 2011, um louvor público por parte da Câmara Municipal de Câmara de Lobos e, mais recentemente, em 2016, foi homenageado pela autarquia do Funchal.

À família e amigos o Jornal da Madeira endereça as suas mais sentidas condolências.