Papa Francisco canoniza Paulo VI e D. Óscar Romero

O Papa Francisco canonizou este domingo no Vaticano sete novos santos | Foto: Vatican Media

O Papa Francisco presidiu este domingo no Vaticano à cerimónia de canonização de sete novos santos da Igreja Católica. Para além do Papa Paulo VI e D. Óscar Romero foram também canonizados Francesco Spinelli, Vincenzo Romano, Maria Caterina Kasper, Nazario Ignazia de Santa Teresa de Jesus e Nunzio Sulprizio. 

 “Peçamos a graça de saber deixar por amor do Senhor: deixar riquezas, deixar sonhos de funções e poderes, deixar estruturas já inadequadas para o anúncio do Evangelho, os pesos que travam a missão, os laços que nos ligam ao mundo”, apelou o Papa na homilia. 

É necessário “um salto em frente no amor” para superar a “tagarelice estéril” e a “monotonia duma vida cristã sem ardor”. 

Para Francisco o mundo precisa da alegria dos corações que amem livremente o Senhor, pois “a tristeza é a prova do amor inacabado. É o sinal dum coração tíbio”. 

“Hoje, Jesus convida-nos a voltar às fontes da alegria, que são o encontro com Ele, a opção corajosa de arriscar para O seguir, o gosto de deixar tudo para abraçar o seu caminho. Os Santos percorreram este caminho”, referiu.

Neste contexto, apresentou o exemplo de Paulo VI, “Mesmo nas fadigas e no meio das incompreensões, Paulo VI testemunhou de forma apaixonada a beleza e a alegria de seguir totalmente Jesus. Hoje continua a exortar-nos, juntamente com o Concílio de que foi sábio timoneiro, a que vivamos a nossa vocação comum: a vocação universal à santidade; não às meias medidas, mas à santidade”. 

Também é significativo o testemunho de D. Óscar Romero “que deixou as seguranças do mundo, incluindo a própria incolumidade, para consumir a vida – como pede o Evangelho – junto dos pobres e do seu povo, com o coração fascinado por Jesus e pelos irmãos”. 

O Papa também exaltou as virtudes do “santo jovem” Núncio Sulprizio “que soube encontrar Jesus no sofrimento, no silêncio e no dom de si mesmo”.