D. António explicou aos crismados do Porto Santo que o novo ano pastoral é para “viver e aprofundar o sentido de missão”

D.R.

Quarenta e quatro jovens e adultos (13) das Paróquias do Porto Santo receberam domingo, dia 30 de setembro, o Sacramento da Confirmação, numa Eucaristia presidida por D. António Carrilho, na Igreja da Piedade.

Como é hábito nestas ocasiões, houve um elemento que falou em nome do grupo para dar as boas vindas ao prelado e agradecer a sua presença.

Ao Pe. Alberto coube a apresentação dos crismandos, tendo este referido igualmente, a importância do bispo entre aqueles que apascenta, que cuida. Já o padre Fábio referiu a alegria que é para a comunidade ter a presença do pastor: “Seja bem-vindo à ilha do Porto Santo. As nossas duas paróquias alegram-se em ver entre elas o seu pastor, o sucessor dos apóstolos, escolhido para guiar este pequeno rebanho”, frisou.

Na homilia, D. António agradeceu as palavras de acolhimento e a apresentação do grupo explicando, como é seu hábito, que os 10 anos de catequese que a maioria dos jovens frequentou,servem para “conhecer melhor a pessoa de Jesus”. Um conhecimento que, no entanto, não deve terminar com o Sacramento da Confirmação, mas que deve ser aprofundado pela vida fora. De resto, como é usual referir, “a festa faz-se hoje, mas é para a vida”.

Aludindo à palavra proclamada, nomeadamente ao Evangelho, frisou que Jesus, com a sua ressurreição e envio do Espírito Santo, mostrou aos discípulos qual o ênfase de toda a caminhada pela qual Jesus os fizera passar. Jesus infundiu um novo espírito; uma nova forma de ser, de pensar e agir. “Hoje acontece o mesmo aqui: estamos dispostos a abraçar novos projectos que sejam obra de Deus? Ele quer guiar-nos, aprofundando aquilo que cada um é, para que sendo realmente Filho de Deus tenha vida e vida em abundância”. 

D. António Carrilho falou ainda do ano pastoral que agora terminou, cujo lema foi “Igreja jovem, com os jovens”, estabelecendo uma ponte com o novo ano que agora se inicia e que cujo tema é “Ser Cristão, Viver em Missão. O ano que passou, disse, “não é para esquecer”, mas antes para “viver e aprofundar o sentido de missão que é a grande proposta do novo ano Pastoral” e que deve ser a missão de todos os baptizados. 

Finda a crismação individual D. António deu os parabéns a todos os crismados, que desafiou a “viver como bons cristãos”. Dirigiu-se depois aos padrinhos a quem lembrou que, ao aceitarem o convite, assumiram responsabilidades, nomeadamente de ajudar os afilhados a continuar a viver na fé, e de estar disponíveis para os ajudar em qualquer circunstância da vida.

O prelado pediu ainda aos crismados para que rezassem todos os dias um bocadinho e para que não deixassem de ir à Missa do domingo, ou do sábado à tarde.

Pediu também para que rezassem pelas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias, pelo seminário e pré-seminário.

Terminada a Eucaristia o bispo do Funchal ofereceu a cada jovem, em nome da Diocese, o livro dos “Evangelhos e Atos dos Apóstolos” que, disse, “não é para ficar numa qualquer estante”, mas para “estar ao serviço de todos lá em casa”.