O acólito procura e segue os passos da Paz

Foto: Serviço Diocesano de Acólitos

Por Padre Hélder Gonçalves

Nos passados dias 30 de julho a 03 de agosto, ocorreu em Roma a 12ª Peregrinação dos Acólitos, sob o lema “Procura a Paz e segue os seus passos”. Da nossa Diocese participou um grupo de 19 acólitos, da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus e eu como responsável diocesano do Serviço de Acólitos. 

Como testemunho deste encontro de Igreja, onde 325 dos 80 mil participantes eram portugueses, destaco os momentos de oração, convívio e festa no encontro com o Santo Padre, na Praça de São Pedro. Sem dúvida, que a presença do Papa Francisco, abrilhantou mais e trouxe uma mensagem clara para todos os acólitos: “procurar conhecer e amar cada vez mais o Senhor Jesus” e sermos santos, porque o caminho da santidade não é para preguiçosos. O acólito, na Eucaristia, tem o privilégio de estar mais perto do Senhor Jesus, através do serviço do altar e deve mergulhar no mistério da presença real do Senhor. De facto, este deve estar mergulhado na Paz de Jesus e assim ser testemunha deste grande mistério. O acólito é comunicador da Paz que brota do sacramento da Eucaristia.

Vivi momentos de intensa comunhão, não só com os acólitos e sacerdotes portugueses, como também com outros acólitos e sacerdotes de outros países, que mostraram a riqueza desta comunhão que se faz em Igreja através do serviço do altar, dom da Paz. 

O poder cumprimentar e oferecer ao Santo Padre, o pouco, daquilo que destingue cada região ou serviço, neste caso uma camisola dos acólitos diocesanos madeirenses, foi para mim uma enorme satisfação, pois levei todos aqueles que ajudam e servem cada sacerdote da nossa Diocese e coloquei-os nas mãos do Papa Francisco. 

Naquele aperto de mão estava a emoção e a profundidade desta ligação a Igreja de Jesus Cristo fundada sobre Pedro e… ali estava o sucessor de Pedro na minha presença, na humildade e simplicidade de um verdadeiro pastor, que reconheceu logo a Madeira, dizendo de uma forma descontraída e sorridente: “Buon Vino” e pediu para rezar por ele. 

Agradeço ao CIM (Coetus Internationalis Ministrantium), do qual sou membro associado e ao SNA (Serviço Nacional de Acólitos)a oportunidade de ter estado em contacto com o Santo Padre.