Jovens confirmados na fé na Paróquia da Encarnação

“É preciso olhar em frente, na linha do bem” tal como fez São João Baptista, disse D. António aos 49 jovens que receberam o Sacramento da Confirmação

Foto: Duarte Gomes

O fim da tarde do passado sábado, dia 23 de junho, foi especial para 49 jovens da comunidade paroquial da Encarnação, pois receberam o Sacramento da Confirmação, na Eucaristia presidida por D. António Carrilho.

Após a proclamação do Evangelho e na ausência, por motivos de saúde, do Pe. Alexandre, pároco da Encarnação, coube ao Pe. Manuel Ornelas apresentar o grupo, que disse estar pronto para receber o sacramento em causa. Ele próprio trabalhou com os jovens em causa e viu, disse, como eles “aceitaram a mensagem”, pelo que “recebendo o Espírito Santo, eles serão os homens e as mulheres que vão assegurar a construção espiritual desta comunidade paroquial da Encarnação”. O Pe. Manuel Ornelas agradeceu também a presença do responsável pela Diocese na paróquia, o que é sempre motivo de alegria para toda a comunidade.

D. António Carrilho, por seu lado, agradeceu as palavras de boas vindas e em especial as de apresentação do grupo, sublinhando o facto do Pe. Manuel Ornelas ter dito que “recebeu boas informações da parte dos catequistas, que vos acompanhou durante algum tempo de preparação, que sentiu que vocês aprenderam e que abriram ao espírito, procurando aprofundar os conhecimentos, de uma catequese prolongada, mas também vivenciar a fé em expressões concretas, na relação de uns com os outros e com a comunidade”.

Perante esta realidade, o prelado desejou apenas que “nesta tarde encontrem algo que ultrapassa aquilo que muitas vezes, mesmo quando se espera muito e a expectativa é grande, pode realmente ser ultrapassado, numa linha de fé e de graça”. 

No decorrer da homilia D. António foi fazendo referência a elementos que estavam presentes na igreja, como os dons do Espírito Santo e o Círio Pascal que, lembrou, é o “símbolo de Cristo vivo e ressuscitado, luz da fé que nos há de encaminhar”, símbolo também da graça do Batismo que um dia recebemos. Um dia que convidou a comunidade a recordar, como graça recebida e como momento importante da entrada na Igreja. É ao Círio Pascal que “vamos buscar luz para os caminhos da nossa vida”, disse, para logo sublinhar a importância de manter esta luz acesa e de a ir alimentando ao longo da vida.

Anunciar o caminho do Senhor

Fazendo reflexões a propósito das leituras proclamadas na Eucaristia o prelado disse que as mesmas são leituras da festa de um santo popular, cuja solenidade do nascimento se celebra no dia 24 de junho. Referia-se, naturalmente, a São João Baptista, ele que “batizava no rio Jordão, e batizava convidando a uma vida nova, a prepararem-se para receber o Messias Salvador, que dizia-se já estava no meio do povo, ainda que não o reconhecessem de imediato”. S. João convidava, pois, todos aqueles que batizava “a olhar cada um para a sua vida, para os seus pecados, para aquilo que não estivesse bem, e procurar transformar-se seguindo o caminho do bem”. 

“Olhar em frente, na linha do bem”, é pois o caminho que nos convida a seguir S. João Baptista, ele cujo nascimento foi motivo de grande alegria, não só para os pais, já idosos, mas também para seus vizinhos. E tendo, cada um de nós, a graça de ser batizado, cabe-nos a missão de anunciar, como ele, o caminho do Senhor, “a fé que nós temos e a alegria da fé vivida em cada dia”.

De resto, “receber o Espírito Santo não é uma coisa passiva e estática”, disse o prelado, para logo acrescentar que cabe aos jovens, com “o dinamismo do Espírito Santo”, ajudarem a Igreja a ser jovem, como pede o Papa Francisco. É por isso, que o Crisma só se recebe uma vez, mas é uma marca para a vida, e é por isso que ele nos torna “discípulos missionários”, com a responsabilidade de passar a outros a mensagem que recebemos.

Com os 49 jovens crismados, D. António dirigiu-se aos pais e especialmente aos padrinhos, a quem lembrou que ao colocarem a mão no ombro dos afilhados assumiram a responsabilidade de os continuar a ajudar a seguir o compromisso assumido no Batismo e que agora foi Confirmado, numa festa que “é hoje, mas é para a vida”.

Dirigindo-se novamene aos crismados D. António Carrilho pediu-lhes ainda para que rezassem todos os dias um bocadinho e para que não deixassem de ir à Missa do domingo. Pediu também para que se rezasse pelas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias.

No final da celebração o bispo do Funchal ofereceu a cada crismado, em nome da Diocese, o livro dos “Evangelhos e Atos dos Apóstolos” que disse, “não é para ficar na gaveta”, mas para ser lido por eles e posto ao serviço de todos lá em casa. 

Como nota final, de referir que para além do Pe. Manuel Ornelas esta Eucaristia foi concelebrada pelo Pe. Domingos, um filho da terra que é missionário e que se encontra de passagem pela ilha.