D. João Lavrador diz que Plano de Comunicação vai articular iniciativas, protagonistas e meios

Em entrevista à ECCLESIA o presidente da CECBCCS afirma a importância das parcerias, sempre no respeito pela «autonomia de cada instituição».

© Agência Ecclesia

A Assembleia Plenária do episcopado católico vai debater um “plano de Comunicação Social” para a Igreja. A “reflexão de fundo” vai decorrer na próxima reunião magna da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), que irá decorrer de 9 a 12 de abril.

Em recente conferência de imprensa o padre Manuel Barbosa porta-voz da CEP afirmava que o que está em causa é uma “reflexão mais alargada sobre a Comunicação Social da Igreja”, procurando que seja “comunicação do Evangelho, da Doutrina da Igreja”, num serviço “competente e com qualidade”.

Entretanto, o presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais (CECBCCS) adianta, em entrevista à Agência ECCLESIA, que o Plano de Comunicação da Igreja Católica em Portugal vai articular iniciativas, protagonistas e meios.

D. João Lavrador sublinha que a Igreja Católica em Portugal tem “várias iniciativas, vários protagonistas, vários meios, mas falta a harmonização, que o projeto tem de incorporar e planificar”.

O presidente da CECBCCS sublinhou que fazer parcerias “é importante”, mas nunca vai tirar aquilo que é a originalidade de cada meio ou de cada grupo, de cada instituição”.

“A parceria é fundamental, mas temos de ter o cuidado de nunca retirar o que é a iniciativa, a autonomia de cada instituição”, afirmou o bispo de Angra.

D. João Lavrador entende que fazer parcerias permite que “o mesmo acontecimento, a mesma notícia, ou a mesma reflexão possa circular por mais intervenientes e possa atingir mais públicos”, e lembra que o Plano de Comunicação da Igreja Católica em Portugal “tem raízes” no documento “Na era da comunicação social”, publicado pelo episcopado em 2002.

Por vontade própria e por vontade da Comissão, por vontade do Secretariado das Comunicações Sociais, certamente já o teríamos feito”, frisou D. João Lavrador, acrescentando que outros passos foram dados desde a publicação da Nota Pastoral, nomeadamente o “contacto com outras realidades de outros países, por exemplo nos encontros com a congénere de Espanha”.

“Espero que agora possamos dar um passo maior, tendo em conta que, mais ou menos, já estão equacionados os meios, sejam os da Conferência Episcopal, sejam os de âmbito mais privado e particular, sejam a nível diocesano”, acrescentou ainda o presidente da CECBCCS nesta entrevista.

Além das questões relacionadas com a comunicação social, outro tema que será debatido na assembleia de abril é o regulamento europeu de proteção de dados, nomeadamente as consequências nos vários registos paroquiais.

Em cima da mesa continua o “trabalho de reflexão” sobre a preparação para o Matrimónio, procurando orientações “práticas” com a ajuda de quem se encontra no terreno e das orientações já existentes.