Tempo de Advento, tempo de Maria

© Museu de Arte Sacra do Funchal

Espiritualidade, tradições culturais e religiosas

A celebração litúrgica do Advento teve início nos finais do séc. IV. É um tempo de preparação intensa e próxima para o Natal do Senhor, que se aproxima. Numa época de tanto ruído e dispersão, o advento é o tempo de vigilante oração, de silêncio e da escuta da Palavra, e de consequente mudança de comportamentos.

A liturgia do Advento convida-nos a fazer caminhada com as principais figuras bíblicas relacionadas com a espera messiânica e nascimento do Salvador. No Antigo Testamento, sublinho a figura do grande profeta messiânico, Isaías; e, no Novo Testamento, duas personagens importantíssimas: João Batista e Maria.

Maria é a aurora resplandecente que precede o Dia sem ocaso, Cristo Jesus. Ela aponta-nos caminhos novos de conversão e de esperança. À luz do mistério da Anunciação, podemos viver a espiritualidade do Advento, assinalada pelas três atitudes de Jesus: obediência ao Pai; humildade da Encarnação; participação na nossa realidade humana.

Advento é o tempo de Maria, a Senhora da Alegria e da Espera silenciosa. É também o tempo do Espírito, que inundou de graça a santa Mãe de Deus e nos reenvia para a missão e anúncio da Boa Nova.

Espiritualidade e Coroa de Advento

A espiritualidade do Advento vive-se no dinamismo da oferta da vida a Deus e aos outros. É um tempo de conversão, de nos deixarmos surpreender pelo Senhor que nos visita, todos os dias. Não sejamos negligentes. Urge estar preparado para a vinda do Senhor.

Neste tempo de expectativa vigilante, temos, nas nossas igrejas, a simbologia da coroa do Advento, ornamentada com verdura e quatro velas. Representam os quatro domingos do Advento e são sinal de paz e de hospitalidade. Que ao acender a vela, em cada domingo, recordemos a urgência de conversão, da disponibilidade, do amor solidário e da intimidade com Cristo, Luz do mundo.

O primeiro domingo convida à vigilância à espera do Senhor; no segundo escutamos a voz do João Batista e o seu convite a “preparar os caminhos do Senhor”; o terceiro é um convite à alegria porque o Senhor está próximo; o quarto anuncia os acontecimentos que precedem imediatamente o nascimento de Jesus.

Advento é o tempo de esperança e de alegria. Nele recordamos a tríplice vinda do Senhor: o seu nascimento histórico há dois mil anos, na cidade de Belém; a sua vinda, hoje, ao coração dos crentes, e a sua vinda escatológica na glória, no fim dos tempos. Ele veio, Ele vem, Ele virá!

Missas do Parto

Entre nós, as tradicionais missas do Parto enchem as nossas igrejas e capelas, nas manhãs frias madeirenses. São expressão viva da nossa fé em Deus, que vem fazer a sua tenda entre nós, na humildade da natureza humana. Os cânticos, as luzes e os convívios, nas nossas comunidades paroquiais, as manifestações externas de alegria, tudo fala da ternura do Deus Menino, que está a chegar. O tempo litúrgico do advento já é anúncio festivo do Natal.

Nesta época festiva, reavivam-se sentimentos e laços familiares, sem esquecer os nossos emigrantes. Com as saudades, levam no coração esta bela tradição religiosa das celebrações eucarísticas da Senhora do Parto. Desta forma, unem-se à vivência da fé, na sua terra de origem, a Madeira.

A “lapinha” madeirense

Tal como muitos de nós, alguns já prepararam, nas suas casas, a “lapinha”, com searinhas verdes, flores e frutos. É o presépio original madeirense de escadinhas, encimadas pelo Menino Jesus, de pé. De original beleza artística, expressam a orografia e a espiritualidade de um povo crente, que continua fiel às suas tradições culturais e religiosas.

Que a alegria e o amor verdadeiros, circulem entre nós e nos comprometa com uma vida de doação aos outros, e não se confine a um evento social da tradição da Madeira e do Porto Santo. Não esqueçamos os que mais sofrem, os doentes, os pobres, os idosos e desempregados.

Jesus vem para nós! Sob a luz e o sorriso da Senhora do “Sim”, Senhora do Magnificat e Senhora do Parto, reavivemos a esperança e a alegria, de permeio a tantas tristezas, sofrimentos e morte. Percorramos o caminho do Advento com estes pilares: despertar, preparar, alegrar, contemplar.Que o nosso coração seja uma gruta disponível e bela para receber o Deus Menino. “Maranatha: vem, Senhor Jesus”.  

Por MC, osc