Bispo convida crismados da Camacha a seguir caminhos iluminados pela luz de Deus 

D. António Carrilho lembrou ainda ao grupo de crismados que o Sacramento da Confirmação não é o fim, mas mais uma etapa desses caminhos.

© Catequese da Paróquia da Camacha

O Bispo do Funchal presidiu, na tarde de sábado, dia 30 de Setembro, à celebração do sacramento da Confirmação na Igreja Paroquial da Camacha.

Como tem vindo a ser hábito nestas ocasiões D. António Carrilho lembrou aos jovens que “foi o sacramento do Baptismo que nos abriu as portas da Igreja” e que o Crisma “é a confirmação” de que queremos “continuar a fazer parte desta família de Deus e desta grande Assembleia que é a Igreja”.

Depois de manifestar o seu apreço pelo percurso de fé de cada um e de reconhecer o empenho de todos aqueles que os acompanharam ao longo de dez anos de catequese, D. António lembrou que “o Crisma é hoje, mas não é para hoje”. Há que continuar este percurso de procura e de encontro. Afinal, sublinhou, o “sacramento do Crisma é apenas mais uma etapa do conhecimento de Cristo”.

Ao falar da liturgia, o prelado resumiu a sua mensagem num único pensamento: coerência de vida. Lembrou que os textos da liturgia, própria deste dia, convidam-nos a olhar para nós próprios e a tomar decisões.

Dirigindo-se aos jovens interpelou-os a olhar para Jesus que é Palavra, Vida e Testemunho a seguir, e desafiou-os precisamente a seguir caminhos esclarecidos e iluminados pela luz de Deus, que quer chegar ao mais profundo dos nossos corações.

O Bispo do Funchal apelou ainda à participação dos crismados na Eucaristia Dominical para que não seja “quando der jeito”. Mas para que “entre sempre nos vossos planos a Missa de Domingo. “É preciso fazer por ir e participar” – disse.

O bispo convidou ainda a assembleia a rezar pelas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias, lembrando o pré-seminário e o seminário.

A cada crismado, D. António ofereceu, em nome da diocese, o livro dos “Evangelhos e Actos dos Apóstolos”.