Comentário à Liturgia do XXVI Domingo do Tempo Comum

D.R.

Por P. Carlos Almada

“O momento como oportunidade”

 

A epifania de Deus na história contém um grande convite, o de considerar o Senhor como um companheiro de viagem, poderoso e gerador de vida.

Neste Domingo, Jesus convida-nos a estarmos atentos aos seus sinais, às oportunidades de vida que muitas vezes nos passam ao lado. O que vamos ouvir, é realmente luz para a nossa vida.

Somos diariamente provocados por sinais da presença de Deus. O nosso quotidiano está repleto de interpelações, perguntas, propostas, que exigem de nós uma resposta. Será que estamos preparados para dizer sim ao projecto de Deus? Sabemos qual é o seu projecto?

Este projecto revela-se numa caminhada onde Jesus está como nosso companheiro. Tudo começa com o “Sim, quero”. Este caminho requer os olhos e os ouvidos do coração bem apurados para não perder os sinais que o Senhor coloca neste percurso. Uma dinâmica acompanha-nos, é sempre nova: a conversão.

A conversão, implica o recomeçar a nossa história ao jeito de Jesus. Na raiz da conversão, está a liberdade, mas é fundamental o amor de Deus que perdoa. O convite de São Paulo é realmente denso. Passa por mudarmos profundante o nosso coração, as nossas vontades, as nossas mas inclinações para que habitem os sentimentos de Cristo.

É em Jesus, na sua Palavra, que encontramos o novo ímpeto para prosseguirmos viagem. Não sejamos preguiçosos, para trabalhar na vinha do Senhor, como escutamos no Evangelho.

Sejamos prontos em querer tomar parte na vida eterna, que não começa amanhã ou depois, mas sim hoje. Embora o seu projecto seja uma imensidão, é uma imensidão que não se pode perder.