Igreja da Ponta Delgada em destaque

A capela do Senhor Bom Jesus – uma imagem da estatura de um homem, crucificado – foi “o centro de uma fazenda povoada, formando esta o núcleo primitivo de habitantes que constituiriam a futura paróquia”, o que viria a acontecer em 1577

72

Tal como já vem sendo hábito, este domingo convidamos os nossos leitores a conhecer um pouco melhor uma paróquia e a respetiva igreja. Desta vez a nossa escolha recai sobre a Paróquia da Ponta Delgada e a Igreja do Senhor Bom Jesus, que são hoje ponto de convergência de inúmeros Romeiros, que participam nas festas que ali decorrem.

Detalhe do teto

De arquitetura simples, semelhante à de tantos outros templos da ilha, a Igreja do Bom Jesus de Ponta Delgada “mal deixa adivinhar o sabor épico dos factos e lendas que desde a sua fundação por um dos primeiros povoadores, ligaram esta igreja a alguns dos passos mais significativos da história da Madeira (o povoamento, a defesa desta terra portuguesa e católica contra a cobiça de corsários e hereges) ou contribuíram pela sua dramaticidade para reforçar a mística que em torno dela se gerou no imaginário madeirense.”

Interior da igreja

Reza a história que a atual igreja se ergue no sítio de uma capela mandada edificar, nos primeiros anos do século XVI. Segundo Henrique Henriques de Noronha foi seu edificador o sesmeiro Manoel Affonso de Sanha, “escudeiro do Infante D. Fernando, Pay d’El Rey D. Manoel” que “fez rezidencia nesta parte onde lhe foram dadas de sesmaria muitas terras no ano de 1469, de cuja terça se fez morgado em seus descendentes pelo testamento com que faleceu em 1 de Abril de 1507”.

Ao evocar a fundação da capela, Artur Sarmento lembra como a largueza do mar, o perfil áspero da costa norte, mais do que um simples cenário, foram participantes da história do templo, emprestando-lhe um pouco da sua beleza forte: “É da tradição que andando este (Manuel Afonso de Sanha) indeciso sobre o local em que deveria edificar uma capela e sua invocação, depois de uma tempestade ocorrida em que o mar bramira sobre os baixios da costa, foi encontrado numa poça da maré baixa um caixão e dentro uma imagem do Crucificado. Este facto extraordinário fez com que se decidisse a erigi-la prontamente, dedicando-a ao Senhor Jesus, no local mais próximo do misterioso achado”.

Capela do Senhor Bom Jesus

A capela do Senhor Bom Jesus – uma imagem da estatura de um homem, crucificado – foi  “o centro de uma fazenda povoada, formando esta o núcleo primitivo de habitantes que constituiriam a futura paróquia”, o que viria a acontecer em 1577.

Acompanhando o desenvolvimento do lugar, elevado a freguesia em 1552, a primitiva capela sofreu obras ao longo dos séculos XVII, XVIII e XIX, tendo-se tornado “num dos mais belos templos do Norte da Ilha” possuindo, segundo Artur Sarmento, “quadros de valor e aturada obra de talha que mais sobressaía na capela do Santíssimo”.

Em 12 de Julho de 1908 um incêndio devorou a igreja, mal poupando “uma imagem do Senhor Jesus, parte da sacristia com alguns paramentos e arquivo paroquial”, conforme é relatado pelo Diário Popular, na sua edição de 14 de julho.
Reconstruída por diligência do Vigário, Padre Casimiro de Abreu, em 1910, a Igreja de Ponta Delgada é “solenemente sagrada em 1919”.

Detalhe do teto

Em 1915 é mandado construir o atual retábulo que ocupa a parede testeira da capela-mor. O escultor madeirense Manuel Bernardes assumiu esta tarefa, tomando por modelo o retábulo principal da igreja do Espírito Santo e Santo Antão do Caniço.