“Quando nos chama também nos capacita para a missão”

Bispo do Funchal na ordenação de Carlos Almada

A Diocese do Funchal viveu na manhã deste sábado, dia 5 de agosto, um momento dos mais significativos pela ordenação de um novo sacerdote: o padre Carlos Almada, de 25 anos, natural do Campanário.

Na Sé, em ano jubilar da sua Dedicação, que terá lugar a 18 de outubro próximo, teve lugar a eucaristia solene de Ordenação Presbiteral, presidida por D. António Carrilho, e com a presença do Bispo Emérito do Funchal, D. Teodoro de Faria, do Arcebispo Emérito de Évora, D. Maurílio de Gouveia, muitos sacerdotes, entre os quais o Pe.Tolentino Mendonça, Vice-Reitor da Universidade Católica, seminaristas, a família do novo sacerdote e muitos fiéis que enchiam por completo a Catedral.

Na homilia, o Bispo do Funchal começou por manifestar a sua alegria porque “neste dia, o Senhor mais uma vez coloca sobre a Igreja Diocesana do Funchal o Seu olhar de misericórdia, concedendo-lhe a graça de um novo sacerdote para o serviço do Povo de Deus”. Hoje, acrescentou, “Jesus chama o Carlos Ismael Faria de Almada a estar com Ele para O seguir de forma mais íntima, a ser Seu amigo e O dar a conhecer”.

Dirigindo-se ao novo sacerdote, o Bispo do Funchal disse-lhe “o Senhor quer contar contigo para continuar a Sua missão no mundo de hoje, para desempenhares na Igreja, em seu nome e como colaborador do Bispo, o ministério sacerdotal a favor dos homens e mulheres nossos irmãos”. Por isso, “procura crer o que lês, ensinar o que crês e viver o que ensinas”, de modo a que “seja o teu ensino alimento para o Povo de Deus e o teu viver motivo de alegria para os fiéis de Cristo, para edificares, pela palavra e pelo exemplo, a nossa Casa que é a Igreja da qual somos pedras vivas”

D. António Carrilho exortou a que demos “graças a Deus pelas maravilhas que Ele fez e faz na tua vida; damos graças por todos aqueles que para ti, ao longo dessa tua vida, foram sinais de Deus e te acompanharam desde as tuas raízes, na tua família e na paróquia do Campanário; damos graças também pelo que, de algum modo, te apoiaram e te ajudaram, nos seminários, aqui no Funchal e em Lisboa, em São José de Caparide e nos Olivais, na Universidade Católica e nas paróquias, que te proporcionaram experiências de estágio pastoral”.

E foram, de resto, muitos os que quiseram estar ao lado de Carlos Almada, neste momento tão importante da sua vida. Vieram do Campanário, mas também do continente para, junto com o Bispo do Funchal, desejar que Deus “ajude a manter em toda a tua vida a determinação e a fidelidade arreigada na confiança d’Aquele que te chamou e tudo pode”. E para, como disse D. António Carrilho, incentivar o novo sacerdote a “confiar sempre no Senhor”, porque “quando nos chama Ele também nos capacita para a missão”. Aliás, prosseguiu, “contemplar o Senhor Transfigurado não é convite ou estímulo para fugir do mundo e das responsabilidades que temos nele, mas a força que nos faz descer do monte e assumir a missão, anunciar o Envangelho da Vida. É seguir o Senhor até ao dom de nós mesmos, para o bem da Igreja e da humanidade”.

À imensa assembleia presente, que no momento certo da celebração se manifestou com espontânea ovação, o prelado citou o Papa Francisco quando este refere “como é bom estar diante de um jovem sacerdote, porque nele vejo a juventude da igreja”. Esta é também, disse, “a nossa alegria e a alegria de toda a igreja”. A propósito D. António Carrilho aludiu ao Sínodo dos Bispos sobre “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, que terá lugar em Roma, em Outubro do próximo ano. Este será, segundo o Bispo do Funchal, “uma oportunidade para que a Igreja Diocesana realize uma caminho de revisão, reflexão e renovação pastoral, tendo na devida atenção os jovens e as questões fundamentais com que se debatem, designadamente o sentido da vida e a importância da fé na busca da felicidade”.

É nesse sentido que “o programa pastoral da Diocese (2017-2018) apontará para uma “Diocese, Igreja jovem com os Jovens”, um grande desafio para todos nós e, de uma forma especial, para os jovens cristãos, os movimentos e obras da pastoral juvenil”. E para que isso seja uma realidade, é preciso “que a Igreja saiba acompanhar os jovens no seu caminho rumo à maturidade” de modo a que “cada um possa descobrir o seu projeto de vida e realizá-lo com alegria, abrindo-se ao encontro com Deus e com os outros, participando ativamente na edificação da Igreja e de uma sociedade mais humana e fraterna”.

Após a homilia, a celebração prosseguiu com o rito da ordenação do novo sacerdote que teve como momento mais importante o da ordenação propriamente dita, com a imposição das mãos do bispo diocesano sobre o ordinando e a oração consagratória.

Um dos gestos significativos de comunhão e de unidade foi a promessa de obediência e reverência ao bispo diocesano, enquanto sucessor dos apóstolos, sinal e garante da unidade da Igreja e desta com a Igreja de Roma, assim como a colocação das mãos do ordinando nas mãos do prelado.

Os outros momentos expressivos aconteceram já depois da ordenação com o novo sacerdote a ser revestido com as vestes sacerdotais – recordando que, antes de mais, se deve continuar a revestir de Cristo – e com a entrega da píxide e do cálice.

Igualmente de grande emoção foram saudações entre os padres presentes concelebração eucarística já participada pelo novo presbítero.

Terminada a Eucaristia muitos quiseram saudar o mais novo sacerdote da Diocese do Funchal. Foram momentos de alegria e carinho, que o Jornal da Madeira presenciou e que deixaram o sacerdote emocionado. De resto, e como não poderia de ser, emocionados, estavam também os pais de Carlos Almada, Natividade de Almada e José Carlos de Almada, respectivamente. Eles que sempre apoiaram o filho nesta caminhada e que, hoje, estão “orgulhosos” e “cheios de alegria”, por verem que “o sonho dele se concretizou”.

A terminar refira-se que o padre Carlos celebrará a sua missa nova já amanhã, dia 6 de agosto, pelas às 16:00 horas na Igreja Paroquial do Campanário e que, uma vez mais também nós vamos estar presentes neste momento importante.